Palmas - TO
Palmas - TO

Capital Palmas - TO                             
Area (Km²)   277 620,914
Números de Municípios 139
População estimada em 2010   1 383 453

 

 
Araguaína 1 - TO Araguaína 2 - TO Araguaína 2 - TO Araguaína 4 - TO

Araguaína - TO

Araguaína - TO                              Tocantins- TO                                 
População 153.350
Araguaína é um município brasileiro localizado no norte do Estado do Tocantins.

Nos primeiros anos de vida do Estado do Tocantins foi a maior cidade, possuindo atualmente 153.350 habitantes, a segunda maior população do Tocantins, de acordo com o Censo 2011. Fica a 350 km da capital Palmas, 1.148 km da antiga capital Goiânia e a 1.252 km da capital federal Brasília. É um polo regional pujante, que se destaca nos quesitos comercial, educacional, saúde e serviços.

Localiza-se a uma latitude 07º11'28" sul e a uma longitude 48º12'26" oeste.

História

Foram os silvícolas da tribo dos Carajás os primitivos habitantes da vasta região de ricas terras e luxuriante floresta compreendida entre os rios Andorinhas e Lontras, afluentes da margem direita do caudaloso Rio Araguaia. Essa extensa área constituiria mais tarde a maior parte do atual município de Araguaína. Os remanescentes dos Índios Carajás ainda habitam as margens do Rio Araguaia, numa pequena reserva sob a orientação da Fundação Nacional do Índio - FUNAI.

O início do desbravamento do município ocorreu no ano de 1876, com a chegada de João Batista da Silva e família, procedentes de Parnaguá, Estado do Piauí. A família estabeleceu-se à margem direita do rio Lontra, em local que denominaram "livre-nos Deus", nome que expressava o temor permanente de ataque de índios e animais selvagens que habitavam a primitiva região. O primeiro desbravador da região trouxe em sua companhia sua esposa, Rosalina de Jesus Batista e seus filhos do primeiro matrimônio/ do segundo casamento vieram 10 filhos entre os quais, Tomás Batista, na época com nove anos de idade, ao qual muitos atribuem, erroneamente, a fundação do município. Poucos meses após a chegada da primeira família, ainda no mesmo ano, outras começaram a chegar e foram fixando-se no mesmo local formando um povoado ao qual denominaram Lontra, por localizar-se à margem do rio do mesmo nome.

Os primeiros colonizadores dedicaram-se inicialmente ao cultivo de cereais para subsistência que levavam para vender no povoado do Coco (atual Babaçulândia), e com objetivos mais lucrativos, iniciaram a implantação da cultura do café, como atividade predominante. Essa cultura foi abandonada posteriormente por dificuldades de escoamento da produção, decorrente da ausência total de vias terrestres para transporte, embora houvesse estradões de tropa.

O povoado Lontra pertenceu inicialmente ao município de São Vicente do Araguaia, atual Araguatins; anos mais tarde, o povoado Lontra passou a pertencer ao município de Boa Vista do Tocantins, hoje Tocantinópolis. Em razão do isolamento imposto pela ausência de estradas, condições geográficas e insalubridade do clima, o povoado passou por um longo período de estagnação, que durou até o ano de 1925, quando chegaram as famílias de Manuel Barreiro, João Brito, Guilhermino Leal e José Lira e João Batista Carneiro.

As famílias recém-chegadas injetaram novo entusiasmo aos antigos povoadores. Sob a liderança dessas famílias foi erigido no povoado, no mesmo ano, o primeiro templo católico dedicado ao Sagrado Coração de Jesus. A primeira professora nomeada para o povoado, foi Josefa Dias da Silva. Em 1936 chega o primeiro destacamento policial cujo primeiro delegado-comandante foi Paulino Pereira.

Com a criação do município de Filadélfia, pela Lei Estadual nº 154 de 8 de outubro de 1948, cujo instamento ocorreu em 1º de janeiro de 1949, o povoado Lontra passou a integrar-lhe. No mesmo ano sua denominação foi mudada para Povoado Araguaína, nome cuja etnologia provém de araguaia, em homenagem ao rio Araguaia, que serviria posteriormente de limite entre o município de Araguaína e o município de Conceição do Araguaia, Estado do Pará.

Pela Lei Municipal nº 86 de 30 de setembro de 1953, o povoado Araguaína foi transformado em distrito com a mesma denominação. Sua instalação ocorreu em 1º de janeiro de 1954. Em 5 de maio de 1957 foi criada a Paróquia de Araguaína sendo designado o Padre Pacífico Mecozzi.

Pela necessidade natural de um maior desenvolvimento da região, inicia-se o processo que culminaria com a criação do município de Araguaína. A Lei Municipal nº 52 de 20 de julho de 1958, autorizou o desmembramento do distrito de Araguaína, fixando-lhe os limites.

Finalmente a 14 de novembro de 1958, pela Lei Estadual nº 2.125, foi criado o Município de Araguaína, tendo sido instalado oficialmente em 1º de janeiro de 1959. Foi nomeado como primeiro prefeito Casimiro Ferreira Soares, que foi exonerado em 3 de outubro de 1960, sendo substituído por Henrique Ferreira de Oliveira.

Ainda na mesma data foram realizadas as primeiras eleições municipais, sendo eleito para prefeito municipal Anatólio Dias Carneiro, para vice-prefeito Sr. Raimundo Falcão Coelho.

O autêntico desenvolvimento econômico-social do município começou na realidade a partir de 1960, com a construção da rodovia Belém-Brasília, o que fez com que a cidade crescesse exorbitantemente em relação às demais cidades próximas que eram maiores e mais antigas que ela. No período de 1960 a 1975, Araguaína atingiu um estágio de desenvolvimento sem precedentes na história do Estado de Goiás, sendo que em 1965 foi criada a indústria da Região norte a CIMBA-Companhia Industrial e Mercantil da Bacia Amazônica e em 1967 o primeiro frigorifico de Araguaína de propriedade do Grupo Boa Sorte e que até hoje é um dos maiores com capacidade de abate de 900 cabeças por dia. A repercussão desse desenvolvimento ultrapassou fronteiras do Estado e do País, despertando interesse até no exterior. Sobre o fenômeno escreveu o sociólogo americano Thomas G. Sanders, em estudo publicado na revista Fieldstaff Reports, vol XV, nº 2, editada pela Americam Universities Field Staff.

Araguaína era a quarta maior cidade do Estado de Goiás, de 1980 a 1986, perdendo somente para Luziânia, Anápolis e Goiânia. Com a criação do estado de Tocantins em 1989, Araguaína tornou-se a maior cidade do Estado e pretensa capital do Estado que estava nascendo, não foi escolhida devido a fatores geográficos, sociais e políticos, mas ganhou o carinhoso título de Capital Econômica do Estado, sendo atualmente a principal força econômica do Estado. Segundo pessoas ligadas ao ex-governador Siqueira Campos, por causa da influência do então Presidente do Brasil, José Sarney, que não queria que nascesse uma capital de estado perto da cidade de Imperatriz do Maranhão. Porque com a existência dessa capital, Imperatriz acabaria com o seu crescimento que ocorre a anos. Então o Presidente do Brasil impôs ao Sr. Wilson Siqueira Campos, a escolha de outro lugar do novo estado. Por isso houve a criação de Palmas, A "capital" do "Futuro".

Na realidade, Siqueira Campos, então primeiro governador do Tocantins, resolveu que nenhuma das cidades a quem ele prometera que seriam Capital, envergariam tal título, nem provisoriamente. Assim, a 8 de dezembro de 1988, seria anunciada a cidade de Miracema como Capital provisória do recém-criado estado. A decisão causou revolta na cidade, que pouco a pouco se acostumou a ser a Capital Econômica do Tocantins. Atualmente, Araguaína é um centro de referência em várias áreas e deverá ser por muito tempo a maior economia do Estado. Além disso, a abertura de faculdades e ampliação do número de cursos da Universidade Federal do Tocantins deram novo fôlego à economia local, que já era forte.

Economia

Existe a ideia de que Araguaína é a capital do boi, mas a grande força de Araguaína não é só essa. O comércio e o DAIARA-Distrito Agro Industrial de Araguaína, com indústrias e contando com 3 Frigoríficos de referência nacional sendo o Bertin, o Minerva e o Boiforte. Araguaína é cercada de grandes, médias e pequenas fazendas, que impulsionam o desenvolvimento econômico da cidade através da agricultura e da pecuária. Também a instalação de faculdades na cidade impulsionou nos últimos tempos a iniciativa privada na construção civil.

Clima

O clima do município de Araguaína é tropical úmido, nas seguintes condições: Temperatura: - megatérmico, mantendo-se quente durante todo o ano, com temperatura média máxima de 32ºC e mínima de 20º C e mínima de 20º C. Pluviometria - estação definida de chuvas entre os meses de novembro e maio, e uma estação seca entre os meses de junho a outubro, com precipitação anual acima de 1.700 milímetros.

Educação

Araguaína é referência Estadual em educação. Além de ensino básico e profissionalizante, a cidade conta com três universidades (Universidade Federal do Tocantins, ITPAC e Faculdade Católica Dom Orione que oferecem diversos cursos. Onde o curso de Medicina é destaque em todo Estado, tornando-o melhor curso em Instituições Privadas de Ensino Superior do Estado, decorrente desse fato, vem muitos estudantes de outros estados, cursar Medicina em Araguaína (mantido pelo (ITPAC). Destacam-se os cursos de Medicina Veterinária, Zootecnia, Logística, Cooperativismo, Turismo, Matemática, Física, Biologia, Química, Letras, Geografia, História [[(mantidos pela UFT), Direito,administração,fisioterapia e psicologia (mantido pela FACDO-Faculdade Católica Dom Orione), Ciências Contábeis, Educação Física, Enfermagem, Sistema de Informação, Pedagogia, Farmácia, Odontologia e Medicina (mantidos pelo ITPAC). Encontra-se também Instituição em sistema EAD, Unitins - EADCOM e Uniderp.