8fd635fd
São Paulo - SP

Capital São Paulo - SP                     
Area (Km²)   248.209.426
Números de Municípios 645
População estimada em 2010 41.252.160

 

 
Águas de São Pedro 1 - SP Águas de São Pedro 2 - SP Águas de São Pedro 3 - SP Águas de São Pedro 4 - SP

Águas de São Pedro - SP

Águas de São Pedro - SP                         São Paulo - SP                                          
População 2.703
Águas de São Pedro é um município brasileiro no interior do estado de São Paulo.

Pertence à microrregião e Mesorregião de Piracicaba, localiza-se a noroeste da capital do estado, distando desta cerca de 187 km. Ocupa uma área de 3,64 km², sendo o menor município paulista e o segundo menor município brasileiro em extensão territorial, sendo maior apenas que Santa Cruz de Minas (MG). Em 2010, sua população foi contada pelo IBGE em 2 703 habitantes, sendo então o 593º mais populoso de São Paulo e o último de sua microrregião.

A sede tem uma temperatura média anual de 22,4°C e na vegetação do município predomina atualmente a mata atlântica. Em relação à frota automobilística, em 2009 foram contabilizados 1485 veículos. Sendo composto apenas por perímetro urbano, não possuindo zona rural, o município contava com quatro estabelecimentos de saúde em 2009. O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,908, sendo o segundo melhor de São Paulo, como também o segundo melhor do Brasil, sendo superado em ambos por São Caetano do Sul, no mesmo estado.

Águas de São Pedro foi emancipado de São Pedro na década de 1940. Atualmente, é formado pela cidade de Águas de São Pedro, sendo a sede seu único distrito, subdividida ainda em seus quatro bairros. Hoje é um dos onze municípios paulistas considerados como estâncias hidrominerais pelo governo do estado de São Paulo, por cumprirem determinados pré-requisitos definidos por Lei Estadual. A cidade é conhecida pelas suas águas hidrominerais de valor medicinal, tendo suas fontes naturais com alguns dos principais atrativos turísticos. Possui ainda dois grandes parques (Dr. Octavio Moura Andrade Parque Municipal e o Parque das Águas "José Benedito Zani"), além do mini jardim municipal, importantes áreas verdes do município.

História

Origens

Até 1800, a região do município de São Pedro e sua enclave não passava de mata virgem. Os primeiros civilizados a pisarem em solo água-pedrense foram, assim como na maioria dos municípios do interior de São Paulo, bandeirantes que procuravam pedras preciosas, em especial ouro, abrindo pela mata fechada diversos caminhos e rotas. Uma destas rotas, chamada de Caminho do Picadão. partia de Itu, passava por Piracicaba e avançava na direção dos sertões de Araraquara. Durante muitos anos, muitas propriedades agrícolas foram se formando na região, até que em 1883, São Pedro desvinculou-se de Piracicaba e tornou-se politicamente independente.

A economia, nesta época, passou a ser baseada na cultura do café, quando muitas famílias italianas se estabeleceram nestas regiões para trabalhar sob contrato de parceria em substituição ao trabalho escravo. Nesta condição, o imigrante italiano Ângelo Franzin chegou ao Brasil em 1887, indo trabalhar na fazenda Recreio, de propriedade de João Rezende da Cruz e apenas um ano depois administrava outras fazendas como Santa Rita, Santa Eulália e Rosário.Após muitos anos de trabalho, em acordo com seu irmão Jácomo, adquiriu terras e decidiu também praticar a cafeicultura. As primeiras terras adquiridas foram as fazendas Palmeiras e Limoeiro, seguidas das terras da Floresta Escura, Gonçalves, Tuncum e Araquá, além de casas, terrenos e mais duas máquinas de beneficiar café.

Busca pelo petróleo e descoberta das águas

Na década de 1920, Júlio Prestes, então governador do estado de São Paulo, havia iniciado as pesquisas na área de prospecção de petróleo. As pesquisas falharam na tentativa de encontrar o produto e os equipamentos foram abandonados, mas apenas jorrando água mineral. Posteriormente outras tentativas foram feitas para encontrar petróleo em grandes profundidades e, novamente, nenhum óleo foi encontrado. Uma estrutura de plataforma de petróleo existe ainda hoje e é chamada de "Torre de Óleo Engenheiro Ângelo Balloni".

Anos mais tarde, em 1934, Ângelo Franzin, donos das terras perfuradas, que é conhecida atualmente como "fonte da juventude", construiu um balneário simples, onde se banhava. A água tinha um odor forte. Um ano depois um grupo de pessoas da cidade comprou um lote de 100 mil metros quadrados ao redor da fonte da juventude onde construíram um balneário. Era composto de 12 banheiras de alvenaria, ao contrário do primeiro balneário, que era feito de madeira. Naquele mesmo ano, Octavio Moura Andrade resolveu construir a estância dando-lhe o nome de "Caldas de São Pedro", criando juntamente com seu irmão, Antônio Joaquim de Moura Andrade, a empresa "Águas Sulfídricas e Termais de São Pedro S/A".

Durante quatro anos o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) da Universidade de São Paulo (USP), realizou uma série de estudos naquelas águas. Geralmente águas provenientes de grandes profundidades possuem uma alta concentração de substâncias que podem ser nocivas ao ser humano, assim como seu pH pode não ser adequado para o banho. Em 1940 os resultados foram divulgados no Boletim 26 do IPT. As águas foram consideradas adequadas para o banho e suas propriedades medicinais estudadas pelo professor João de Aguiar Pupo, então Diretor da Faculdade de Medicina de São Paulo (USP).

Emancipação política

A estância de Águas de São Pedro foi fundada a 25 de julho de 1934, por Octavio Moura Andrade, quando da inauguração do Grande Hotel (hoje Grande Hotel São Pedro de propriedade do SENAC). Reconhecendo a importância das fontes termais da região, o Governo do Estado criou, em 19 de junho de 1940, a Estância Hidromineral e Climática de Águas de São Pedro. O município de Águas de São Pedro foi criado pela Lei Estadual nº 233, de 24 de dezembro de 1948, emancipando-se de São Pedro. A instalação oficial ocorreu 2 de abril de 1949, sendo, desde então, composto apenas do Distrito-Sede.

Construção do balneário e planejamento urbano

Para promover o desenvolvimento e a exploração das águas medicinais de forma economicamente viável, o fundador da cidade concebeu e projetou uma cidade voltada para fins hidroterápicos e residenciais: um balneário-cidade. Águas de São Pedro nasceu para ser uma Estância Hidromineral, totalmente planejada e com o objetivo de atender os que necessitavam de tratamento e turistas em busca de diversão e lazer. O urbanista Jorge de Macedo Vieira foi o escolhido para harmonizar a ocupação do espaço ao uso das águas minerais, à topografia, ao solo e ao clima, demorando cerca de dois anos de minucioso estudo da região para então projetar a estância. Somente em 1940 é que o projeto ficou totalmente pronto, sendo registrado no Cartório de Registro de Imóveis da Comarca de São Pedro, sob o nº 1, já de acordo com as exigências do Decreto Lei 58/39.

A partir deste projeto foram construídas diversas edificações, como construção de um grande hotel de luxo para receber os turistas, além de um Casino, um dos primeiros cassinos no país como atividade regulamentada pelo poder público. Também foram realizadas óbras de saneamento, sendo contratado um escritório técnico Saturnino de Brito, vindo do Rio de Janeiro, para estudar e dirigir os trabalhos de saneamento de uma área ao redor do Grande Hotel. Houve recuperação das vias de acesso, realizando-se a retificação de 8 km de estrada que liga São Pedro às fontes, permitindo o tráfego de veículos mais pesados; construção de um aeroporto, o primeiro numa área de 40 alqueires, com quatro pistas, estação de embarque, luz, telefone, água encanada, hangar e posto de abastecimento de combustível; além da melhora dos serviços de energia, que, como a rede de energia de São Pedro estava em condições precárias, foi construída uma linha própria que ligou São Pedro às obras da Estância e, para maior garantia foi construída, no Grande Hotel, uma usina de emergência com dois geradores a diesel com capacidade de suprir o hotel e a cidade que se iniciava.

História recente

Após a inauguração do balneário, o turismo ganhou força em Águas de São Pedro, até se transformar na principal fonte de renda da cidade. Passou a ser um dos integrantes da Região Turística (RT) Serra do Itaqueri. Com um grande movimento de turistas também houve a necessidade de melhorias no setor comercial, como as reformas da Rua do Comércio. O setor industrial também se desenvolveu, também por influência das águas especiais. Foi construído um prédio na zona industrial da cidade destinado ao engarrafamento das águas das fontes Gioconda e Almeida Salles. A água sulfurosa, como não era apropriada para o engarrafamento, serviu para uma tentativa de industrialização na forma de cosméticos e cremes para a pele.

Clima

O clima de Águas de São Pedro é tropical de altitude (tipo Cfa segundo Köppen), com diminuição de chuvas no inverno e temperatura média anual de 22,4°C, tendo invernos secos e frios (com ocorrências de geadas leves em alguns poucos dias da estação) e verões chuvosos com temperaturas altas. Os mês mais quente, fevereiro, têm temperatura média de 25,2°C, sendo a média máxima de 30,9°C e a mínima de 19,5°C. E o mês mais frio, julho, possui média de 18,7°C, sendo 25,9°C e 11,4°C as médias máxima e mínima, respectivamente. Outono e primavera são estações de transição.

A precipitação média anual é de 1 307,5 mm, sendo julho o mês mais seco, quando ocorrem 26,7 mm. Em janeiro, o mês mais chuvoso, a média fica em 221,5 mm. Nos últimos anos, entretanto, os dias quentes e secos durante o inverno têm sido cada vez mais frequentes não só em Águas de São Pedro, mas também em grande parte do estado de São Paulo, não raro ultrapassando a marca dos 30°C especialmente entre os meses de julho e setembro. No mês de agosto do ano de 2004, em uma localidade próxima ao município, a precipitação de chuva não passou dos 0 mm. Durante a época das secas e em longos veranicos em pleno período chuvoso também são comuns registros de fumaça de queimadas em morros e matagais, principalmente na zona rural da cidade, o que vem levando a prefeitura a criar projetos ambientais e campanhas de prevenção nas escolas do município. Em São Paulo, assim como em grande parte do país, as principais causas das queimadas são a agricultura e os tocos de cigarro jogados nas estradas. As altas temperaturas e o clima seco contribuem para o aumento desses índices. Durante o período chuvoso são comuns ocorrências de inundações e deslizamentos de terra em algumas áreas. Tempestades de granizo não são muito comuns na cidade, mas uma das mais recentes ocorreu em 5 de fevereiro de 2011.

Entre maio de 2003 e julho de 2005, a maior temperatura registrada em uma localidade próxima a Águas de São Pedro foi de 34,8°C, observada no dia 28 de setembro de 2004. A mínima foi de 2,8°C, no dia 14 de junho de 2004. Também durante este período, o maior acumulado de chuva ocorrido em 24 horas foi de 143 mm, em 4 de fevereiro de 2005. Outros grandes acumulados foram de 105 mm em 26 de janeiro de 2004 e de 101 mm em 25 de maio de 2005.

Ecologia e meio ambiente

A cobertura vegetal original da área de Águas de São Pedro era o cerrado, formação mista classificada em dois estratos. O estrato superior, composto por árvores com altura variável de 3 a 6 metros, com copas quase sempre ralas e distanciadas umas das outras. O estrato inferior constituído de cobertura contínua de gramíneas e outras ervas, com menos de um metro de altura; árvores com troncos e galhos tortos e retorcidos, casca espessa, folhas grandes e espinhos. Esta vegetação natural, entretanto, encontra-se bastante devastada. Hoje a cobertura vegetal é predominantemente plantada, sendo que atualmente predomina a mata atlântica. A Mata galeria está presente às margens do Rio Araquá e seus afluentes.

Uma das principais áreas verdes da cidade está situada no Parque Dr. Octávio, que possui 16 trilhas em uma extensão de 6 500 metros. Em seu interior estão diversas espécies da fauna e da flora regional, incluíndo espécies ameaçadas de extinção, como o Antilophia galeata (Soldadinho).

Religião

Tal como a variedade cultural em Águas de São Pedro, são diversas as manifestações religiosas presentes na cidade. Embora tenha se desenvolvido sobre uma matriz social eminentemente católica, é possível encontrar atualmente na cidade dezenas de denominações protestantes diferentes.

A cidade de Águas de São Pedro está localizada no país mais católico do mundo em números absolutos. A Igreja Católica teve seu estatuto jurídico reconhecido pelo governo federal em outubro de 2009, ainda que o Brasil seja atualmente um estado oficialmente laico. A cidade possui os mais diversos credos protestantes ou reformados, como, por exemplo, a Assembleia de Deus. De acordo com dados do censo de 2000, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a população de Águas de São Pedro é composta por: Católicos (78,81%), evangélicos (8,02%), pessoas sem religião (3,82%), espíritas (3,93%) e 5,42% estão divididas entre outras religiões.

Economia

Nos dados do IBGE de 2008 o município possuía R$ 45 089,883 mil no seu Produto Interno Bruto. Desse total 3 621 mil são de impostos sobre produtos líquidos de subsídios. O PIB per capita é de R$ 17 703,13. Também de acordo com o IBGE, a cidade possuía no ano de 2008 209 unidades locais (estabelecimentos comerciais) e 2 505 trabalhadores, sendo 1 388 pessoal ocupado total e 1 117 ocupado assalariado. Salários juntamente com outras remunerações somavam 15 495 reais e o salário médio mensal de todo município era de 2,6 salários mínimos.

Pelo fato de a cidade não possuir zona rural, o setor primário não contribui para o PIB municipal. Já o valor adicionado bruto da indústria (setor secundário) é de 5 069. Na área industrial destacam-se empresas no ramo de cosméticos, que produzem diversos produtos de beleza ou de intenção medicinal a partir de matéria prima encontrada na cidade, como as águas, argilas e sais, sendo que na cidade esses materiais são considerados como de alta qualidade, de acordo com empresas especializadas. Mesmo assim, o município não conta com nenhuma grande indústria.

36 400 mil reais do PIB municipal são de prestações de serviços (terciário), sendo atualmente a maior fonte geradora do PIB água-pedrense. No setor terciário destaca-se a área do turismo, sendo que sua economia é voltada exclusivamente para este setor. O município de Águas de São Pedro está integrado à Região Turística (RT) Serra do Itaqueri e conta como principal atrativo suas águas hidrominerais de valor medicinal. Segundo a prefeitura, os novos rumos do turismo passam pela regionalização. Esses turistas atraídos pelos atrativos naturais também ajudam a movimentar o setor comercial da cidade. O principal ponto de vendas onde há grande movimentação é a Rua do Comércio, no centro, que atualmente está recebendo novo calçamento, com óbras no valor de R$ 302 mil reais. Há ainda vários programas econômicos que foram criados com o objetivo de divulgar a Região Turística da Serra do Itaqueri, para atrair mais turistas e movimentar os setores comerciais e de hospedagem.

Turismo

Águas de São Pedro é um dos onze municípios paulistas considerados como estâncias hidrominerais pelo governo do estado de São Paulo, por cumprirem determinados pré-requisitos definidos por Lei Estadual. Este status garante a esses municípios uma verba maior por parte do estado para investir no turismo regional. Também, o município conta com o direito de agregar junto a seu nome o título de estância hidromineral, termo pelo qual passa a ser designado tanto pelo expediente municipal oficial quanto pelas referências estaduais.

Como já citado anteriormente, o turismo é a principal fonte de renda da cidade, que está integrada à Região Turística (RT) Serra do Itaqueri. No Balneário da cidade estão situadas as três fontes de Águas Hidrominerais de grande valor medicinal (Gioconda, Juventude e Almeida Salles), sendo até uma delas considerada como a primeira das Américas e a segunda do Mundo em teor de enxofre. Nestas águas são realizados banhos e massagens.

A cidade também tem dois grandes parques (Dr. Octavio Moura Andrade Parque Municipal e o Parque das Águas "José Benedito Zani") e um mini jardim municipal. Outra importante atração é o Caminho do Sol, idealizado por José Palma em 2002, foi inspirado nos Caminhos de Santiago, na Espanha, e é reconhecido pela Junta de Galiza, órgão colegiado do governo de Galiza. Na cidade está situado o término do percurso, na Casa de Santiago, localizada no Mini Jardim Municipal. Vários peregrinos, com bicicletas ou a pé, vão à cidade todos os anos usando a rota como uma forma de peregrinação religiosa. O caminho tem 241 quilômetros e passa por 12 municípios, na seguinte ordem: Santana de Parnaíba, Pirapora do Bom Jesus, Cabreúva, Itu, Salto, Elias Fausto, Capivari, Mombuca, Saltinho, Piracicaba, São Pedro e Águas de São Pedro.

Artes e artesanato

Na área das artes cênicas da cidade, destaca-se a realização anual da Mostra de Teatro de São Pedro e Águas de São Pedro, organizada desde o ano de 2006 em diversos locais das duas estâncias turísticas dos dois municípios. Em 2010 o projeto foi contemplado no Concurso de Apoio a Festivais de Arte no Estado de São Paulo, promovido pela Secretaria de Estado da Cultura, dentro das ações do Programa de Ação Cultural (Proac), através de propositura da Associação Cultural Arte, que fez com que o evento contasse com amplo e irrestrito apoio da prefeitura das duas cidade. É realizado sempre na segunda quinzena do mês de julho e conta com duração média de 10 dias, atraíndo cerca de 6 mil pessoas.

O artesanato também é uma das formas mais espontâneas da expressão cultural água-pedrense. Em várias partes do município, é possível encontrar uma produção artesanal diferenciada, feita com matérias-primas regionais e criada de acordo com a cultura e o modo de vida local. A Associação Art´s Trama de Artesãos de São Pedro e Região, juntamente com outras instituições, como o próprio governo municipal ou a Superintendência do Trabalho Artesanal nas Comunidades (Sutaco), reúne diversos artesãos da região, disponibilizando espaço para confecção, exposição e venda dos produtos artesanais. São produzidos especialmente colchas e caminhos de mesa de crochê, flores produzidas com folha de milho seca, peças produzidas com teares, dentre outras. Normalmente essas peças são vendidas em feiras, exposições ou lojas de artesanato.

Em Águas de São Pedro há apenas um feriado municipal, oito feriados nacionais e três pontos facultativos. O feriado municipal é o do dia da emancipação da cidade, comemorado em 25 de julho.
 De acordo com a lei federal nº 9.093 de 12 de setembro de 1995, os municípios podem ter no máximo quatro feriados municipais, já incluída a Sexta-Feira Santa.