8fd635fd
São Paulo - SP

Capital São Paulo - SP                     
Area (Km²)   248.209.426
Números de Municípios 645
População estimada em 2010 41.252.160

 

 
Araçatuba 1 - SP Araçatuba 2 - SP Araçatuba 3 - SP Araçatuba 4 - SP

Araçatuba - SP

Araçatuba - SP                                    São Paulo - SP                                   
População 182.526
Araçatuba é um município brasileiro no interior do estado de São Paulo.

Localiza-se a uma latitude 21º12'32" sul e a uma longitude 50º25'58" oeste, estando a uma altitude de 390 m. Sua população é de 182.526 habitantes e cresceu 7,3% em relação ao Censo de 2000, com 98% de urbanização. É a sede da nona região administrativa do Estado de São Paulo.

Seu nascimento remonta a expansão cafeeira e na passagem para o atual século sua economia era caracterizada pelo crescimento das lavouras de cana-de-açúcar. Este quadro, inclui também a pecuária, atividade que a tornou conhecida no país como Capital do Boi Gordo devido às negociações da arroba do boi realizadas na Praça Rui Barbosa, além da inclusão de outras criações de animais como a ovinocultura. De economia diversificada, o setor de serviços é o predominante na cidade. Araçatuba caracteriza-se também por ser um polo universitário e gastronômico da região noroeste do estado de São Paulo. Seus pratos típicos são o cupim casqueirado e o caldo do artista Ainda está servida pelo Gasoduto Brasil-Bolívia e a hidrovia Tietê-Paraná.

Próxima do rio Rio Tietê que é considerado limpo na região, é a primeira cidade não ribeirinha do estado de São Paulo a captar água diretamente deste rio. Ainda está sobre o Aquífero Guarani, a maior reserva de água doce do mundo e é cortada pelo Ribeirão Baguaçú que abastece parte do município. Em Araçatuba, 100% do esgoto é tratado antes de ser lançado nos cursos de água.

Em 2010 foi assinado contrato para a construção de um estaleiro para transporte de etanol pela Hidrovia Tietê Paraná, que iniciará suas operações em 2013. A obra custará aproximadamente US$ 239 milhões e quando totalmente em operação terá capacidade de transporte de 4 bilhões de litros. O modal consome 75% menos combustível para a mesma carga transportada por via terrestre, além de emitir apenas 1/3 do CO2 lançado pelo transporte rodoviário. Por este projeto de transporte de combustível de forma limpa, Araçatuba recebeu em 2011 o Prêmio 100 Cidades Mais Sustentáveis.

História

A história de Araçatuba está ligada intrinsecamente à construção da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil (NOB). Esta estrada, que no início do século fez parte de uma política que visava a interiorizarão do país e sua ligação com outros países da América do Sul, teve seus trabalhos iniciados no dia 15 de novembro de 1904, com a construção do trecho que ligava Bauru à cidade de Itapura, localizada nas barrancas do rio Paraná.

No dia 2 de dezembro de 1908, os trilhos chegaram até o km 280, onde foi montado um acampamento. Um vagão deixado neste local serviu provisoriamente como estação. Deste acampamento nasceu a cidade de Araçatuba. Pela boa qualidade das terras desta região, muitas famílias de agricultores aqui se instalaram.

Além das doenças, os índios Caingangues que aqui já habitavam, se constituíam em obstáculo ao desenvolvimento das terras ainda virgens. No início dos anos 20, Araçatuba, apesar do bom desenvolvimento, ainda pertencia à comarca de Penápolis.

Em 8 de dezembro de 1921, foi promulgada a Lei estadual 1812, que concretizava o sonho de autonomia daqueles que já habitavam o novo e progressista município. Em 19 de fevereiro de 1922 às 20 horas, em sessão solene, deu-se a instalação da Comarca Municipal e a posse dos primeiros vereadores.

O município foi se desenvolvendo, e passou por vários ciclos econômicos. O primeiro foi o do café, a seguir o do algodão e, a partir dos anos 50, veio o da pecuária, que predomina até os dias de hoje, dividindo sua importância, atualmente, com o setor sucro-alcooleiro.

Nas análises de economistas e de vários empresários, Araçatuba é a região que apresenta um maior potencial para desenvolvimento, em todo o estado de São Paulo. Esta perspectiva, reforçada pela presença de inúmeros fatores de desenvolvimento, tais como o Gasoduto Brasil-Bolívia, a Hidrovia Tietê-Paraná, a duplicação da rodovia Marechal Rondon, o Aeroporto de padrão internacional, e a Ferrovia Novo Oeste.

Geografia

Clima

Descargas elétricas

Araçatuba no biênio 2005/2006 era a 528° no estado de São Paulo em número de descargas atmosféricas, com densidade de raios/km².ano de 2,2051. No biênio seguinte 2007/2008 ficou em 511° no estado com densidade de 1,6615 raios/km².ano. Existe registro de 2 mortes no ano de 2008 por raios na zona leste da cidade.

Houve elevação da densidade de descargas elétricas no município no biênio 2009/2010 com uma taxa de 7,1673 raios/km².ano, ocupando no ranking do Estado a posição de número 560.

Qualidade do ar

Em 2009 Araçatuba foi classificada como uma localidade que está em processo de saturação por ozônio (O3). A saturação por este tóxico formado de reações químicas entre os óxidos de nitrogênio, compostos orgânicos voláteis e luz solar pode provocar uma série de doenças, como danos cardíacos, aumento da probabilidade de ocorrência de câncer e envelhecimento precoce. Também existe risco de desequilíbrio ambiental.

Em 2011 era considerada a terceira pior cidade do Estado de São Paulo em relação a qualidade de ar com uma média de 58 microgramas por metro cúbico de material particulado. O ideal de acordo com a OMS seria de 20 microgramas por metro cúbico.

Solo

É caracterizado por ser sílico argiloso, com depósitos de húmus nas baixas de terreno. Arenitos e siltitos nas partes carbonáticas, conglomerados e folhelos.

Hidrografia

O abastecimento de água na cidade é fornecido pelo Ribeirão Baguaçu (70%), depois do tratamento de suas águas e por dois poços profundos (30%). A nascente do Ribeirão Baguaçu encontra-se em uma mina de rochas localizada na divisa das cidades de Braúna e Coroados, no sítio São Sebastião. O ribeirão também corta as cidades de Braúna, Bilac e Birigui. A água dos poços profundos são do Aquífero Guarani, a maior reserva subterrânea de água doce do mundo. Estão localizados nos bairros Jardim Ipanema e Jardim Juçara. São tratados pelo Departamento de Água e Esgoto de Araçatuba um bilhão e 900 milhões de litros de água por mês, todavia, a quantidade produzida está no seu limite máximo de expansão, e a empresa está aguardando a captação da água do rio Tiête para contornar o problema.

Passam pela cidade também o Rio Tietê, São José dos Dourados, e Aguapeí. São destaques também os córregos Alvorada, Três Sete, Machadinho, Tropeiros, Bela Vista, Machado de Melo, Água Funda, Espanhóis, Paquere ou Jacó.

O rio Tietê que é poluído em outras regiões, é aproveitado na cidade de Araçatuba para abastecimento e uso industrial. Araçatuba é a primeira cidade não ribeirinha do Estado de São Paulo a captar água do rio. As obras foram realizadas pela Construtora OAS. São captados 380 litros de água por segundo, que são encaminhadas para uma estação de tratamento.

Economia

Sua economia é historicamente ligada à pecuária, sendo conhecida como cidade do boi gordo e, posteriormente, cidade do asfalto. Um famoso pecuarista de Araçatuba que se chamava Tião Maia fugiu para a Austrália por causa da ditadura. Atualmente, nas instalações de seu antigo frigorífico, funciona a Universidade Paulista (UNIP).

O setor sulcroalcooleiro está em crescimento acelerado e precisa de novas áreas para se expandir. O Noroeste Paulista é uma das últimas áreas viáveis e disponíveis no estado de São Paulo para esta necessidade que o setor demanda.

A topografia, solo e clima favoráveis ao cultivo da cana-de-açúcar, mão-de-obra especializada, facilidades de escoamento da produção e sede de um dos maiores terminais sucroalcooleiros do estado de São Paulo, favorecem a região.

Em 2008 era o 28° município do Estado de São Paulo em número de empresas atuantes. No ranking brasileiro ficou na 89° posição com 7 267 unidades.

Em 2010, dados do IPC Target indicavam que Araçatuba teria um consumo de R$ 2,63 bilhões ao ano, 18% maior que os dados de 2009 (R$ 2,22 bilhões) colocando assim Araçatuba no 39° no estado em capacidade de consumo. Em 2009 os habitantes da Classe E, com renda até R$ 410 no município representavam 1,1% da população total, sendo que em 2010 esse númerou foi reduzido para 0,7%. Para 2011 o potencial de consumo subiu para R$ 3,14 bilhões (alta de 19,25% em relação ao ano anterior).

Dados da Secretaria de Estado de Desenvolvimento divulgados em maio de 2010, apontam o munícipio com potencial de desenvolvimento em todos os seguimentos da economia (agropecuária, indústria, comércio e serviços), em virtude da mão-de-obra qualificada, transporte e infra-estrutura. Todavia, ainda apresenta lentidão na questão imobiliária e turística. No Índice Paulista de Responsabilidade Social ficou classificada como n° 2 (intermediária), numa classificação de 5 (piores codições) a 1 (melhores condições), que leva em conta a saúde, educação e renda da população.

Com relação a geração de empregos Araçatuba ocupava em abril de 2010, de acordo com Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, a 41° posição no Estado de São Paulo em geração de empregos, obtendo o melhor índice da região a que pertence. De abril de 2009 até abril de 2010, Araçatuba já teve contratados 23 330 funcionários. No mesmo período, 21 379 pessoas foram demitidas nas empresas do município. Finalizou 2010 com 2.720 novas vagas e 26.400 trabalhadores contratados.

O número de empresas com mais de 100 funcionários em 2011 é de 29, sendo que destas 18 cumprem a Lei de Cotas para deficientes físicos.

Agricultura e pecuária

Por volta do ano 1908, a ferrovia Noroeste do Brasil chegava até Araçatuba. O Brasil tinha como ponta da economia a cafeicultura. É neste cenário que a cidade surge, momento de ocupação de terras no Oeste do estado e expansão das lavouras do café.

Antes da ferrovia, esta região era habitada pelos índios caingangues. Até o início de 1920, as terras não eram muito procurada por desbravadores.

Somente após a construção de um loteamento de terras na cidade de Birigui e formação de colônias japonesas e italianas, a cidade passou a ser alvo de pessoas com vontade de estabelecer-se nas terras. De 1926 até 1930 foram 13365 imigrantes, sendo japoneses, italianos, espanhóis e portugueses os mais importantes.

Em 1929 a crise da bolsa de valores de Nova Iorque deu um golpe nas plantações de café aqui existentes. Já na década de 1940, a produção começa a cair. Em 1943 uma geada interferiu drasticamente na lavoura daquele ano. Assim a melhor solução para o declínio da produção do café eram a associação de outras culturas como arroz, feijão, milho, e pastagem para o gado.

O gado vinha de Goiás e Mato Grosso, chegava muito magro nas cidades da região. Desta forma os produtores tornaram-se especialista na engorda bovina.

O café e as outras culturas ainda permaneceram de 1930 até 1960. Neste período importantes empresas instalaram-se na cidade: Matarazzo, Anderson Clayton, Brasmen e Sanbra especializadas no processamento de oleaginosas e grãos.

Na década de 1960, a cidade recebe o nome de Cidade do boi gordo, devido ser o maior centro produtivo de gado de corte do Estado de São Paulo. Até hoje, Araçatuba é uma das principais cidades da pecuária de corte do Brasil. Porém, a região transforma-se gradativamente em pólo do setor sucroalcooleiro.

Em 1974 ocorreu a crise do petróleo, sendo assim criado pelo governo federal o Próalcool. Assim o Conselho Municipal de Desenvolvimento Integrado de Araçatuba, propõe uma campanha para instalar 22 unidades produtoras de álcool na cidade.

A cana-de-açúcar ocupava 10% da área cultivada da região em 1987. As usinas Destivale, Aralcool, Alcoazul e Cruzalcool produziam em ritmo acelerado. Atualmente a cidade é o novo pólo do setor sucroalcooleiro. Araçatuba em 2009, era responsável pela produção de 47% da energia limpa do Estado de São Paulo.

A produção de banana em Araçatuba em 2010 foi de 5045 toneladas a 23ª maior do Estado de São Paulo.

Educação

Araçatuba também é um grande centro regional estudantil, possuindo quatro universidades, três particulares e uma estadual,uma fundação e demais faculdades avulsas. É um grande pólo formador de mão-de-obra especializada, abrigando estudantes de todo o Brasil e ascendendo o mercado imobiliário.

Possui uma das menores taxas de analfabetismo da população adulta entre as cidades-sede de região administrativa do Oeste Paulista.

Funcionam também em Araçatuba escolas profissionalizantes como o SENAI – Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, o SENAC – Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial e SESI – Serviço Social da Indústria.

Apesar disso, dados do Tribunal Superior Eleitoral mostram que 31,79% do eleitorado araçatubense não possui o primeiro grau completo. Ao total, o município possui registrados 134 971 eleitores, destes 42 911 estão nesta situação. 28 083 eleitores possuem o primeiro grau completo.

Eventos e vida noturna

Araçatuba apresenta grandes eventos ao decorrer do ano, em sua maior parte agropecuários tais como a Feicana e a Expô Araçatuba. Existem outros eventos tais como Motofest, Baile do Bixo, Fantoledo, Anime Fever e Vaca Loca, todas anuais.

Nas noites de final de semana os jovens costumam ir para a Avenida Brasília e arredores, local onde estão presentes restaurantes tradicionais da cidade como o Bola 7, chamado inicialmente de Cantina Jardim Nova Iorque e o Federal, situado do lado da polícia federal.

Além dos citados acima existem também outros locais conhecidos para a vida noturna: relacionado a bares existem o Bar Quattro, Bar Bonifácio, Biergarten, Pub. Restaurantes como o Bola 7, Barracão, San Rafael, Costelaria, Terra do Boi, Donna Oliva; baladas como Calypso, 727, Lounge e Cervejaria Avenida; e hotéis como Ibis, Chamonix, Riviera, Nova York.

Camelódromo

O município de Araçatuba conta com um local destinado para a atividade dos camelôs, o Camelódromo Luiz Carlos Rister. Constituidas de pequenas lojas feitas de alvenaria, o local comercializa desde lanches a aparelhos eletrônicos. Antigamente essa atividade era realizada na Praça Rui Barbosa.