8fd635fd
São Paulo - SP

Capital São Paulo - SP                     
Area (Km²)   248.209.426
Números de Municípios 645
População estimada em 2010 41.252.160

 

 

 

Auriflama 1 - SP Auriflama 2 - SP Auriflama 3 - SP Auriflama 4 - SP

Auriflama - SP

Auriflama - SP                                      São Paulo - SP                                    
População 14.202
Auriflama é um município brasileiro do estado de São Paulo.

Localiza-se a uma latitude 20º41'08" sul e a uma longitude 50º33'17" oeste, estando a uma altitude de 482 metros. A cidade tem uma população de 14.202 habitantes (IBGE/2010). A Microrregião de Auriflama tem 46.367 habitantes (IBGE/2010).

Possui uma área de 434 km².

História

Na realidade a história de Auriflama começa mesmo por volta do ano de 1935, onde já havia moradores e proprietários rurais, antes da chegada dos pioneiros. Os primeiros bandeirantes que chegaram nessa região foram as famílias do Tiburção, da Maria Portuguesa, Mateus, Miranda, Bueno, Maciel, Zequinha Cearense, que aqui fincaram suas raízes.

João Pacheco de Lima comprou uma área localizada ao longo do espigão mestre, divisor das águas dos rios Tietê e São José dos Dourados. Em Junho de 1936, ele juntamente com seu filho Paulo e com os amigos Waldevino Nery dos Reis, Antônio Joaquim Nery e José Joaquim Nery se deslocaram de Ipiguá, próximo a São José do Rio Preto e vieram conhecer as terras.

No dia 6 de setembro de 1936, Waldevino Nery dos Reis e Ernestina Nery se mudavam definitivamente para o povoado. Na ocasião, outros pioneiros junto com suas famílias também vieram para o povoado: Ozório Messias de Almeida, Joaquim Graciano Paiva, Sebastião Machado, Filadelfo Rodrigues de Souza, Francisco Higino, Antônio Barbosa, João Fernandes, Amâncio Ferreira, José Mateus, Evangélio Mateus e Bertolina Alconci Mattäus,entre outros. Com a chegada destas famílias foi aberta uma clareira maior na mata e construído novos ranchos. Naquela ocasião, funda-se a “ Vila Pacheco”.

O cruzeiro foi levantado próximo a figueira em 2 de novembro de 1936, sendo produzido pelo carpinteiro Manoel Saturnino e doado por Agostinho Cipriano Nery. A figueira se tornou o marco histórico, afirma Alcino Messias de Almeida: “Nós sofremos muito no começo, pois a vila era muito mato e tivemos que ir abrindo clareira entre a selva, mas a figueira ganhou destaque devido a sua exuberância”. Seu Alcino lembra do momento em que ajudou a arrancar a figueira. Infelizmente ela estava no centro da cidade e precisou ser cortada para o crescimento de Auriflama, concluiu Messias.

Em 20 de novembro de 1937, nas proximidades do cruzeiro, o Padre Agostinho dos Santos Pereira celebrou a primeira missa do vilarejo. Com isso, oficialmente fundava-se a “Vila Áurea”, nome que homenageia Áurea de Souza Lima, filha de João Pacheco de Lima.

O Decreto, nº. 13011, de 24 de outubro de 1942, transformou Vila Áurea na 2ª Zona Distrital de General Salgado e Comarca de Monte Aprazível, graças ao empenho de Filadelfo Rodrigues de Souza.

Depois de completar sete anos, Vila Áurea foi elevada a categoria de Distrito de Paz pelo Decreto, nº. 14334, de 30 de novembro de 1944. Além disso, recebeu a denominação de Auriflama, que significa “ouro em chamas” e suas terras foram desmembradas de General Salgado e Major Prado.

A emancipação política e a elevação a categoria administrativa do município foi sancionada pela Lei, nº. 2.456, de 30 de dezembro de 1953. Isto só foi possível devido ao desenvolvimento econômico e social de Orlando Bongiovani, José Mateus, José Matarézio, José Maria Bento, Francisco Assis Rodrigues e Cláudio Bento Inezzi.

Em 1954 a população auriflamense elegia o primeiro executivo e legislativo, os quais governaram de 1 de janeiro de 1955 até 31 de dezembro de 1958. Na qual foi eleito Lázaro Silva juntamente com seu vice Aurélio Dainezi.

A Câmara Municipal foi composta por 09 (nove) vereadores e suplentes de cada legenda, sendo presidida por Waldevino Nery dos Reis. Posteriormente, assumiram a presidência do Legislativo municipal: Francisco de Assis Rodrigues, em 1956; Almerindo Pereira Prates em 1957; e João Matarézio em 1958.

Em 28 de Fevereiro de 1964 foi criado a Comarca de Auriflama, de acordo com a Lei nº. 8.092, mas a sua instalação concretizou-se em 28 de setembro de 1967, na administração do prefeito João Matarézio. Assumiu como Juiz de Direito da Comarca Domingos Franciulli Neto e José Geraldo de Jacobina Rabello, exerceu a função de Promotor Público.

Capital da Lingerie

A história da indústria têxtil de Auriflama começa no início da década de 80, mais precisamente em 1983, quando esse segmento instalou a primeira unidade no município. Aos poucos, a pecuária de corte e de leite foi dividindo espaço com as confecções e, hoje, além da agropecuária, a principal atividade econômica do município a indústria de confecções, sendo considerada depois um pólo de confecções na região Noroeste do Estado.

A fama da industrialização foi implantada em 1983 com a inauguração da primeira fábrica, introduzindo um novo perfil à economia local, antes focada na agricultura e pecuária. Hoje, mais de 40% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) é gerado pelas fábricas locais.

O município é destaque no país e no exterior por sua produção industrial. As mãos das costureiras e costureiros auriflamenses produzem as peças que estão nas prateleiras das mais importantes lojas, além de ilustrar os catálogos de famosas grifes.

A cidade se sobressai com suas 82 empresas, entre micros, pequenas, médias e grandes indústrias de confecções. Juntas, elas produzem mais de 1 milhão e 600 mil peças de lingerie por mês, e aproximadamente 400 mil peças de moda praia. Cerca de 30% da produção é exportada para mais de 20 países.

Não há dúvidas de que o setor de confecções está em expansão, conseqüentemente gerando novos empregos a cada dia, impostos, levando o nome de Auriflama cada vez mais longe.

Inovação em Ensino Superior na cidade

A Faculdade de Auriflama, a FAU, entende que é fundamental educar e preparar o indivíduo para que ele possa compreender as mudanças econômicas e culturais pelas quais estamos passando e atuar de forma lúcida dentro de um contexto.

A FAU, com pouco mais de quatro anos de atuação, tem importância e significado local e até regional. Iniciando as suas atividades com cursos de formação de contadores, administradores e pedagogos, oferecem oportunidades para que muitas pessoas possam fazer os seus cursos de nível superior. As dificuldades existentes como distância e custos foram superados e graças a FAU, pessoas que dificilmente continuariam seus estudos pós-ensino médio, ou que voltariam a estudar, após anos sem entrar em uma sala de aula, num futuro próximo, exercerão atividades como professores, contadores e administradores, ocupando espaços em Auriflama e na região.

Hidrografia

    Rio Tietê
    Córrego do Barreiro