Natal - RN
Natal - RN

Capital Natal - RN                              
Area (Km²)   52 796,791
Números de Municípios 167
População estimada em 2010 3 168 027

 

 
Baía Formosa 1 - RN Baía Formosa 2 - RN Baía Formosa 3 - RN Baía Formosa 4 - RN

Baía Formosa - RN

Baía Formosa - RN                                            Rio Grande do Norte - RN                                  
População 8.631
Baía Formosa é um município brasileiro no extremo leste do estado do Rio Grande do Norte.

Pertencente à microrregião do Litoral Sul e à mesorregião do Leste Potiguar, localiza-se a sul da capital do estado, distando desta apenas nove quilômetros. Ocupa uma área de 245,510 km², sendo que apenas 0,3682 km² estão em perímetro urbano, e a população do município foi estimada no ano de 2011 em 8 631 habitantes, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, sendo então o 77º mais populoso do estado.

Com uma temperatura média anual de 27,5 ºC, na vegetação do município predomina a caatinga hiperxerófila. Quanto à frota de veículos, foram contabilizadas 887 unidades em 2010. Com uma taxa de urbanização de 83,14% (2010), o município contava, em 2009, com oito estabelecimentos de saúde. O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M) é de 0,643 (2000), considerado como médio pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e o 57° maior a nível estadual.

O município foi emancipado de Canguaretama na década de 1950. O nome do município se deve ao fato de Baía Formosa estar localizada em uma bela enseada que forma a única baía do Rio Grande do Norte.

História

A história de Baía Formosa começou com a construção de um porto de embarcações. Esse porto originou um núcleo de pescadores e estava localizada na única baía do Rio Grande do Norte. No século XVIII, o tal lugar serviu como sendo uma área de veraneio para a família Albuquerque Maranhão e fazendeiros de lugares próximos. Em 1877, ocorreu a chamada "matança de agosto", que se constituiu em um episódio onde dono de uma área teria ido a um vilarejo, junto com um grupo armado, com a finalidade de tentar expulsar os moradores daquele lugar. Nesse contexto, surgiu a figura de Francisco Magalhães, que, juntamente com outros quatorze homens armados, conseguiram resistir aos agressores. O episódio foi comandado por João Albuquerque Maranhão, latifundiário e dono do Engenho Estrela, e se resumiu em uma horrível luta que resultou na morte seis pessoas e na prisão e julgamento do comandante da chacina.

No final do século XIX, foi construída uma capela no local, tendo como padroeira a Imaculada Conceição. Além disso, também foram criados e anexados ao município de Canguaretama os distritos de Baía Formosa e Vila Flor. O povoado do distrito começou a crescer, tendo como base econômica a a lavoura e a pesca. Em 1933, o distrito de Baía Formosa, que havia sido criado em 1892 e pertencia ao município de Canguaretama, foi extinto, juntamente com o distrito de Vila Flor, sendo que depois ambos os distritos foram recriados, mas em datas diferentes (o distrito de Vila Flor, que depois teve seu nome alterado para "Flor" e depois o nome voltou a se chamar "Vila Flor", foi recriado em 1938, enquanto o distrito de Baía Formosa foi recriado somente quinze anos depois). Finalmente, em 1958, o distrito de Baía Formosa foi desmembrado do município de Canguaretama, tornando-se novo município do estado do Rio Grande do Norte, por força da lei estadual n° 2338. O nome do município faz a referência à sua localização estratégica, no extremo leste potiguar e em uma bela enseada que forma a única baía do estado.

Geografia

O município de Baía Formosa está localizado no estado do Rio Grande do Norte, e é um dos quatro municípios localizados em pontos extremos do estado (os outros três são Tibau, a norte; Equador, a sul e Venha-Ver a oeste). O município também pertence à Mesorregião do Leste Potiguar, que engloba 25 municípios do estado distribuídos em quatro microrregiões, sendo que a microrregião à qual o município pertencente é a Mesorregião do Litoral Sul, a mais oriental do estado e que reúne dez municípios: Arez, Baía Formosa, Canguaretama, Espírito Santo, Goianinha, Montanhas, Pedro Velho, Senador Georgino Avelino, Tibau do Sul e Vila Flor. Baía Formosa está distante 90 km a sul da capital potiguar.

A área de todo o município é de 245,510 quilômetros quadrados, o que equivale a 0,465 % do território potiguar, 0,0158 % da Nordeste e 0,0029 % do Brasil. Seus municípios limítrofes são Canguaretama a norte e a oeste, Mataraca (na Paraíba) a sul e o Oceano Atlântico a leste.

Relevo e hidrografia

Situado a uma altitude de quatro metros acima do nível do mar, no município predomina um relevo plano, com altitudes médias e inferiores a cem metros, cuja formação é composta por tabuleiros costeiros - que também é considerado como "planalto rebaixado" e cuja principal constituição é a argila, podendo chegar ou não ao litoral - e pelas planícies costeiras - terrenos alterados em sua forma devido principalmente à presença das dunas em sua constituição, além das praias que se limitam pelos tabuleiros costeiros. Os tipos de solo predominantes são o bruno não cálcico - que se caracterizam por serem rasos, sensibilidade à erosões, alta fertilidade, textura formada por areia e/ou argila e moderados índices de drenagem - e os solos litólicos eutróficos, que é caracterizado pela sua fertilidade alta, textura média formada por areia, relevo que varia entre ondulado e montanhoso e altos índices de drenagem. Praticamente não há cultivo nesses solos, uma vez que a vegetação natural é aproveitada junto com a pecuária extensiva, há falta de água, a profundidade é pequena, há a sensibilidade à erosão, certos riscos de salinidade e pedregosidade superficial. O aproveitamento desses tipos de solos é feito principalmente com pecuária, onde destaca-se o cultivo da palma forrageira. Quanto ao uso desses solos para a irrigação, estes solos possuem limitações devido à baixa profunidade e ao alto teor de sódio no subsolo. O uso da má irrigação conduzida ocasiona a salinização e e dificulta bastante o seu uso para a agropecuária.
O município de Baía Formosa está situado em área de abrangência do Grupo Barreiras, formadas durante o período Terciário, onde há a predominância de rochas cobertas com texturas arenosas. Além disso, há também, próximo ao litoral, as chamadas paleodunas, também chamadas de dunas fixas, que provavelmente de formaram durante o período Quaternário. Também próximo ao litoral, existem os sedimentos areno-quartzosos, cuja composição é formada por areia (que pode ser fina ou grossa) e níveis de cascalho. Por último, há os depósitos aluvionares, encontrados principalmente no Vale do Rio Curimataú.

Quanto à rede hidrográfica, o território do município de Canguaretama está dentro de um conjunto de três bacias hidrográficas diferentes. Entre essas bacias, a maior é a bacia hidrográfica do rio Guaju, que cobre 35,75% do território municipal, seguida pela bacias do rio Curimataú (33,99%) e da faixa litorânea leste de escoamento difuso (26,43%). Dentre os principais rios que atravessam Baía Formosa estão Outeiro, Curimataú, Guaju e Pau Brasil. Já dentre os principais riachos e lagoas, estão Calvaçu, Taboquinha, Uriúna.

Clima

O clima de Baía Formosa é tropical chuvoso, com um período de chuvas compreendido entre os meses de janeiro e agosto. A principal característica deste tipo climático é a pluviosidade anual em torno dos mil e quinhentos milímetros por mês, ausência de estações do ano e a variação do regime das chuvas. Existem também fortes mudanças de temperatura durante o período de Sol (dia). As temperaturas médias anuais oscilam em torno de 25,6°C, sendo 21ºC e 33°C as temperaturas máxima e mínima, respectivamente. O mês mais quente do ano é janeiro, onde a média é de aproximadamente 26,6°C, sendo que a média mínima é de 21,9ºC e a máxima é de 31,6°C. Já o mês mais frio anual é julho, onde a média aproximada é de 23,8ºC, sendo as médias 19,9ºC e 27,6ºC as médias mínima e máxima, respectivamente. A pluviosidade média anual em Baía Formosa é de 1 625,2 milímetros, sendo outubro o mês mais seco, quando ocorrem apenas 19,9 mm. Enquanto isso, no mês mais chuvoso, junho, registra uma pluviosidade mensal de 311,4 mm.

Vegetação, flora e fauna

A formação vegetal baía-formosense engloba três tipos de vegetação distintos. São eles: floresta subperifólia, manguezal e a formação de praias e dunas. O primeiro tem como principais características a presença de árvores com folhas verdes (a maioria larga), troncos delgrados e com o solo recoberto por húmus. O segundo é um ecossistema costeiro, de transição entre os ambientes terrestre e marinho, uma zona úmida característica de regiões tropicais e subtropicais. Já a formação de praias e dunas é um tipo vegetação nativa arenosa e cujas dunas são estabilizadas ou fixas quando são recobertas por vegetação nativa ou natural.

O município possui ainda a Reserva Mata Estrela, a maior reserva de Mata Atlântica ainda preservada no estado do Rio Grande do Norte, com uma área de mais de dois mil hectares. Dentro dessa reserva, há uma rica preservação da flora e da fauna. Quanto à fauna, são encontradas várias espécies de répteis (ameaçadas ou não de extinção) como as guaribas, os saguis, as cotias, os tatus, as raposas, o gavião-carijó e o xexéu. Na flora, encontram-se várias espécies de plantas como o pau-brasil, a cajarana e a orquídea.

Educação

O município não conta com instituições de ensino superior, possuindo apenas escolas. Em 2009, das 2 304 matrículas existentes, 1 528 eram de ensino fundamental, 442 de ensino médio e 334 de ensino pré-escolar. Na rede docente, havia um total de 107, dos quais 75 pertenciam à rede fundamental, catorze à rede superior (ensino médio) e dezoito à rede pré-escolar. Dentre as escolas, existiam quatorze que ministravam ensino fundamental, uma de ensino secundário e oito de ensino primário (pré-escolar).

Segundo dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) e do Ministério da Educação (MEC), o índice de analfabetismo no ano de 2000 entre pessoas era mais frequente na faixa etária acima dos vinte e cinco anos (43,19%), enquanto a menor frequência era entre quinze e dezessete anos (8,62%). A taxa bruta de frequência à escola, que em 1991 era de 64,72%, passou para 81,18% em 2000. 556 habitantes possuíam menos de um ano de estudo ou não contavam com instrução alguma.

Cultura

A Secretaria Municipal de Educação e Cultura e Cultura é o órgão da prefeitura responsável pela educação e pela área cultural e esportiva do município de Baía Formosa. É ela que organiza atividades e projetos culturais, além do setor de educação da cidade. Seu atual secretário é Auriberto Nias de Araújo.
Artesanato e lazer

O artesanato também é uma das formas mais espontâneas da expressão cultural baía-formosense. Em várias partes do município, assim como do estado, é possível encontrar uma produção artesanal diferenciada, feita com matérias-primas regionais e criada de acordo com a cultura e o modo de vida local. Alguns grupos reúnem diversos artesãos da região, disponibilizando espaço para confecção, exposição e venda dos produtos artesanais. Normalmente essas peças são vendidas em feiras, exposições ou lojas de artesanato.

Segundo o Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente (IDEMA), o município de Baía Formosa possuía, em 2008, dois shoppings centers, uma biblioteca, um ginásio poliesportivo, uma quadra de esporte e um campo de futebol.

Turismo e eventos

A Secretaria Municipal de Turismo e Meio Ambiente é o órgão da prefeitura responsável pela atuação do setor turístico baía-formosense, bem como na questão de meio ambiente. Em todo seu território, Baía Formosa conta com diversos pontos turísticos, como a Lagoa Araraquara, a Lagoa Junco, a Lagoa d'Água, a Mata Atlântica (o município possui a maior reserva de Malta Atlânica nativa, a beira-mar, ainda preservada no estado) e a Praia do Sagi.

Para estimular o desenvolvimento socioeconômico local, a prefeitura de Baía Formosa, juntamente ou não com empresas locais, investe no segmento de festas e eventos. Essas festas, muitas vezes atraem pessoas de outras cidades, exigindo uma melhor infraestrutura no município e estimulando a profissionalização do setor, o que é benéfico não só aos turistas, mas também a toda população da cidade. As atividades ocorrem durante o ano inteiro. Entre todos os eventos realizados no município, destacam-se a Festa de São Pedro (realizada em 29 de junho em comemoração a este santo), a Festa de Nossa Senhora da Conceição (realizada em 8 de dezembro) e data de emancipação política, comemorada em 21 de dezembro, data em que o município foi emancipado de Canguaretama, em 1958. Também se destacam o Carnaval (realizado em data móvel, antes do início da Quaresma), as festas juninas (que contam com a apresentação de várias quadrilhas, com danças folclóricas, além da apresentação de objetos artesanais), a festa da padroeira de Sagi (comemorada no último sábado do mês de outubro) e o tradicional "Reveillon", que comemora o Ano-Novo, ou seja, a passagem de ano.

Esporte

Na tradição esportiva do município, destaca-se a prática do surfe, uma prática esportiva marítima, frequentemente considerada parte do grupo de atividades denominadas desportos radicais, dado o seu aspecto criativo, cuja proficiência é verificada pelo grau de dificuldade dos movimentos executados ao acompanhar o movimento de uma onda do mar sobre uma prancha, denominada prancha de surfe, à medida que esta onda se desloca em direção à praia.

Feriados municipais

Em Baía Formosa há dois feriados municipais, oito feriados nacionais e três pontos facultativos. Os feriados municipais são: o dia da padroeira Nossa Senhora da Conceição, comemorado em 8 de dezembro e o dia de emancipação política de Baía Formosa, comemorado no dia 21 de dezembro. De acordo com a lei federal n.º 9.093, aprovada em 12 de setembro de 1995, os municípios podem ter no máximo quatro feriados municipais, já incluso neste a Sexta-Feira Santa.