Natal - RN
Natal - RN

Capital Natal - RN                              
Area (Km²)   52 796,791
Números de Municípios 167
População estimada em 2010 3 168 027

 

 
Canguaretama 1 - RN Canguaretama 2 - RN Canguaretama 3 - RN Canguaretama 4 - RN

Canguaretama - RN

Canguaretama - RN                                          Rio Grande do Norte - RN                                  
População 31.216
Canguaretama é um município brasileiro situado na faixa litorânea meridional do estado do Rio Grande do Norte.

Pertencente à Microrregião do Litoral Sul e à Mesorregião do Leste Potiguar, localiza-se a sul da capital do estado, distando desta 67 km. Ocupa uma área de 245,529 km², sendo que 1,6578 km² estão em perímetro urbano, e sua população foi estimada no ano de 2011 em 31 216 habitantes, segundo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, sendo então o décimo sexto mais populoso do estado e primeiro de sua microrregião.

A sede tem uma temperatura média anual de 25,6°C e na vegetação do município há a predominância das florestas subcadacifólias e dos manguezais. Sua taxa de urbanização é de 65,45%, classificando Canguaretama como o 75º município mais urbanizado do Rio Grande do Norte. Com dezenove estabelecimentos de saúde (2009), o IDH do município é de 0,600, considerado médio pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e o 133º maior do estado.

O município de Canguaretama foi desmembrado de Natal na década de 1850. Seu nome significa vale das matas, local com uma grande presença de árvores.

História

Primórdios

A história de Canguaretama começa ainda durante a época do Brasil Colônia, muito antes de ser elevado à categoria de município. Em 1645, ocorreu um dos eventos considerados como um dos mais históricos do Rio Grande do Norte: o martírio de Cunhaú e Uruaçu, que ocorreu quando os índios Janduís e mais de duzentos holandeses (que chegaram e ocuparam o Capitania do Rio Grande do Norte entre 1633 e 1654), a comando de Jacob Rabi - delegado do Conde Maurício de Nassau - mataram cruelmente cerca de setenta fiéis e o Padre André de Soveral. No momento da morte, os fiéis estariam a uma missa que estava sendo celebrada na Capela de Nossa Senhora das Candeias, localizado no Engenho Cunhaú, a alguns quilômetros da Barra do Cunhaú. Na época, esse engenho era o centro da economia potiguar, ainda bastante primitiva. Foram também mortas as pessoas que se encontravam em um grande engenho. Apenas três pessoas conseguiram escapar.

No século XVIII, em 1743, o padre André do Sacramento funda o primeiro núcleo colonizador que futuramente iria dar origem a Canguaretama, a Aldeia Gramació, cuja localização se dava à margem esquerda da Barra de Cunhaú e a mais de uma légua de distância. Em 3 de maio de 1755 (ou 1769), por meio de uma carta régia, a aldeia é elevada à categoria de vila com o nome de Vila Flor. Após a explusão dos jesuítas, a sede municipal, que era localizada em Vila Flor, foi transferida para povoado de Uruá. Em 19 de julho de 1858, por meio da lei n° 567 esse povoado é elevado à categoria de município com o nome de Canguaretama, desmembrando-se de Natal. O nome "Canguaretama" significa vale das matas, local com uma grande presença de árvores.

De 1860 aos dias atuais

O povoado de Canguaretama possuía uma circunscrição religiosa, com o nome de "Penha", conservada em 1860 pela lei provincial n° 468. O nome foi dado por um missionário, o Frei Serafim de Catania. Nos primeiros anos de emancipação, Canguaretama tinha uma economia cuja base era o cultivo da cana-de-açúcar, a pesca e a comercialização do pau-brasil. Em 1882, a sede municipal ganhou uma estação ferroviária. Três anos depois, em 16 de abril de 1885, a sede é elevada à categoria de cidade, que foi instalada quatro meses depois, em 18 de setembro daquele mesmo ano.

Em 1892, são criados e anexados a Canguaretama os distritos de Baía Formosa e Vila Flor. Em 1911, o município era formado pelos distritos de Baía Formosa, Canguaretama e Vila Flor, porém todos foram extintos em 1933 e Canguaretama passou a ser constituída apenas pelos distritos sede. Em 1938, é recriado o distrito de Vila Flor, cujo nome foi alterado para "Flor" dois anos depois (1940), mas apenas oito anos o distrito voltou a ter seu nome original. Cinco anos depois (1953), o extinto distrito de Baía Formosa é recriado e, em 1958, o distrito é emancipado e Baía Formosa torna-se novo município do Rio Grande do Norte. Em 1963, Canguaretama era formada pelos distritos de Canguaretama e Vila Flor, mas depois passou a ser constituído apenas pelo distrito sede com o desmembramento do distrito de Vila Flor, em 31 de dezembro de 1963. De 1963 até os dias atuais, o município de Canguaretama é formado apenas pelo distrito sede.

Geografia

O município de Canguaretama está localizado na faixa litorânea meridional do estado do Rio Grande do Norte, na Mesorregião do Leste Potiguar, que engloba 25 municípios do estado distribuídos em quatro microrregiões, sendo que a microrregião à qual o município pertencente é a Mesorregião do Litoral Sul, a mais oriental do Rio Grande do Norte e que reúne dez municípios: Arez, Baía Formosa, Canguaretama, Espírito Santo, Goianinha, Montanhas, Pedro Velho, Senador Georgino Avelino, Tibau do Sul e Vila Flor. Canguaretama está distante 67 km a sul da capital potiguar.

Seus municípios limítrofes são Goianinha e Vila Flor a norte, Mataraca, Mamanguape (ambas na Paraíba), Baía Formosa e Pedro Velho a sul, a leste com o Oceano Atlântico e novamente com Baía Formosa e a oeste com Espírito Santo e novamente Pedro Velho.

Relevo e hidrografia

Situado a uma altitude de cinco metros acima do nível do mar, no município há predominância de um relevo plano. Os solos predominantes são a areia quartzosa distrófica - com fertilidade baixa e a drenagem excessiva, além de se encontrar praticamente coberta com vegetação natural e primitiva e de não ser utilizada para a agricultura - e o solo aluvial eutróficos - com textura composta argila e arenosa, com drenagem que pode variar de imperfeita a moderada, além de nesse solo serem cultivados principalmente a cana-de-açúcar e as pastagens e a atividade agrícola ser intensa. Entretanto, o solo canguaretamense não exige alto sistema de manejo, pois o cultivo deste solo é dependente do trabalho braçal (manual), da tração dos animais e de implementos agrícolas. O uso de solo é regular para o cultivo de plantas especiais e de ciclo longo, como o sisal e o caju.

O município de Canguaretama está situado em área de abrangência do Grupo Barreiras, formadas durante o período Terciário, onde há a predominância de rochas cobertas com texturas arenosas. Além disso, há também, próximo ao litoral, as chamadas paleodunas, também chamadas de dunas fixas, que provavelmente de formaram durante o período Quaternário. Também próximo ao litoral, existem os sedimentos areno-quartzosos, cuja composição é formada por areia (que pode ser fina ou grossa) e níveis de cascalho. Por último, há os depósitos aluvionares, encontrados principalmente no Vale do Rio Curimataú.

Quanto à rede hidrográfica, o território do município de Canguaretama está dentro de um conjunto de três bacias hidrográficas diferentes. Entre essas bacias, a maior é a bacia hidrográfica do rio Curimataú, que cobre 66% do território municipal, seguida pela bacias do Catu (18,02%) e do rio Guajú (15,98%). Dentre os principais rios que atravessam Canguaretama estão Curimataú, Espinho, Catu, Oiteiro, Guaju, da Volta, Lavada, Já dentre os principais riachos e lagoas, estão Calândia, Pequeri, Pituaçu, Quabradinha, Uriuninha - riachos -, Aniquim e do Poço - lagoas. Os principais açudes do município têm capacidade superior a cem mil metros cúbicos de água.

Clima

O clima de Canguaretama é tropical chuvoso, com um período de chuvas compreendido entre os meses de abril e maio. A principal característica deste tipo climático é a pluviosidade anual em torno dos mil e quinhentos milímetros por mês, ausência de estações do ano e a variação do regime das chuvas. Existem também fortes mudanças de temperatura durante o período de Sol (dia). As temperaturas médias anuais oscilam em torno de 25,6°C, sendo 21ºC e 33°C as temperaturas máxima e mínima, respectivamente. O mês mais quente do ano é janeiro, onde a média é de aproximadamente 26,6°C, sendo que a média mínima é de 21,9ºC e a máxima é de 31,6°C. Já o mês mais frio anual é julho, onde a média aproximada é de 23,8ºC, sendo as médias 19,9ºC e 27,6ºC as médias mínima e máxima, respectivamente. A pluviosidade média anual em Canguaretama é de 1 625,2 milímetros, sendo outubro o mês mais seco, quando ocorrem apenas 19,9 mm. Enquanto isso, no mês mais chuvoso, junho, registra uma pluviosidade mensal de 311,4 mm.

Ecologia e meio ambiente

Em Canguaretama, podem ser encontrados dois tipos distintos de vegetação: a floresta subperifólia e os manguezais. O primeiro tem como principais características a presença de árvores com folhas verdes (a maioria larga), troncos delgrados e com o solo recoberto por húmus. O segundo é um ecossistema costeiro, de transição entre os ambientes terrestre e marinho, uma zona úmida característica de regiões tropicais e subtropicais.

O município, junto com Espírito Santo e Pedro Velho, está inserido dentro da Área de Proteção Ambiental (APA) de Piquiri-Una, com área de 12 019 668 hectares e criada em 6 de junho de 1990.

Religião

Tal como a variedade cultural em Canguaretama, são diversas as manifestações religiosas presentes na cidade. Embora tenha se desenvolvido sobre uma matriz social eminentemente católica, é possível encontrar atualmente na cidade algumas denominações protestantes diferentes.

O município de Canguaretama está localizado no país mais católico do mundo em números absolutos. A Igreja Católica teve seu estatuto jurídico reconhecido pelo governo federal em outubro de 2009, ainda que o Brasil seja atualmente um estado oficialmente laico. De acordo com dados do censo de 2000, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a população de Canguaretama é composta por: católicos (82,44%), evangélicos (5,43%), pessoas sem religião (11,7%), espíritas (0,04%) e 0,54% com religião indeterminada. Outras religiões incluídas tinham um total de 0,06% da população.

Economia

Segundo dados do IBGE, o PIB total de Canguaretama era, em 2008, de R$ 124 950,481 mil. A economia do município pode ser dividida em três setores diferentes: o primário, o secundário e o terciário. Destes, o setor que rende mais no produto interno bruto municipal é o terciário, seguido pelo setor primário. Enquanto isso, o setor secundário é o que rende menos. A renda per capita é de R$ 4 132,37. Além disso, 124 950 mil reais são de impostos líquidos a preços correntes.

Setor primário

Conforme já dito anteriormente, o setor primário é o segundo mais relevante para a economia de Canguaretama. De todo o PIB em geral, 10 972 reais estão destinados a este setor. Segundo o IBGE em 2009 o município possuía um rebanho de 6 100 bovinos, 220 equinos, 670 suínos, 190 caprinos, 130 muares, 450 ovinos, e 5 170 aves, dentre estas 1 950 galinhas e 3 220 galos, frangos e pintinhos. No mesmo ano, o município produziu 743 mil litros de leite, 14 mil dúzias de ovos de galinha e 230 quilos de mel de abelha. Na lavoura permanente, Canguaretama produz banana, castanha de caju, coco-da-baía, laranja, mamão, manga e maracujá. Já na lavoura temporária, são produzidos abacaxi, batata-doce, cana-de-açúcar, feijão, mandioca e milho. A produção agrícola municipal produz somente milho e feijão.

Setores secundário e terciário

O setor secundário é o menor relevante para a economia do município. 10 745 mil reais do PIB municipal são do valor adicionado bruto da indústria. Já o setor terciário é o mais relevante para a economia canguaretamense. A prestação de serviços rende 92 791 reais ao PIB de Canguaretama, sendo, portanto, o setor que atualmente é a maior fonte geradora do PIB municipal. De acordo com o IBGE, o município possuía, no ano de 2009, 324 unidades locais, sendo 319 atuantes e 6 430 trabalhadores, sendo 3 368 do tipo pessoal ocupado total e 3 062 ocupados assalariados. Salários juntamente com outras remunerações somavam 24 964 mil reais e o salário médio mensal de todo município era de 1,5 salários mínimos, valor semelhante ou igual a outros municípios da região, como Tibau do Sul e Vila Flor.

Educação

Em 2009, o município de Canguaretama contava com 32 escolas de ensino fundamental, apenas quatro de ensino médio e 22 escolas de ensino pré-escolar. Existiam ainda 482 docentes, a maioria de ensino fundamental (350) e pré-escolar (74); os restantes (58) eram de ensino médio. Além dos estabelecimentos de educação e dos docentes, Canguaretama possuía, em geral, 10 012 matrículas (7 214 de ensino fundamental, 1 446 de ensino médio e 1 352 de ensino pré-escolar). Oficialmente, a única instituição de ensino superior presente em Canguaretama é um Campus da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Além de Ceará-Mirim e São Paulo do Potengi, Canguaretama é um dos três municípios do estado do Rio Grande do Norte que ganharão unidades do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN).

Cultura

Artesanato e lazer

O artesanato é uma das formas mais espontâneas da expressão cultural canguaretamense. Em várias partes do município,assim como do estado, é possível encontrar uma produção artesanal diferenciada, feita com matérias-primas regionais e criada de acordo com a cultura e o modo de vida local, como no distrito de Cabeceiras. Alguns grupos reúnem diversos artesãos da região, disponibilizando espaço para confecção, exposição e venda dos produtos artesanais. Normalmente essas peças são vendidas em feiras, exposições ou lojas de artesanato.

De acordo com Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente (IDEMA), Canguaretama possuía, em 2001, uma biblioteca, dois ginásios poliesportivos, um clube social, um centro cultural, um campo de futebol e uma quadra de esporte.

Turismo e eventos

Canguaretama possui alguns pontos turísticos, como a Praia Barra de Cunhaú - a única do município, com manguezais e um polo para a criação de camarões em cativeiro (carcinicultura) -, o Mortuário do Cunhaú, o Santuário Chama do Amor, o Engenho Cunhaú - que já foi o centro mais importante da Capitania do Rio Grande, durante o Brasil Colônia, e já foi alvo de lutas sangrentas e roubos - e a Capela Nossa Senhora das Candeias.

Quantos aos eventos, os principais realizados em Canguaretama são a festa da emancipação política do município, celebrada em 16 de abril; a Festa da Padroeira Nossa Senhora da Conceição, celebrada anualmente em 8 de dezembro, a Festa dos Mártires de Cunhaú, que acontece em 16 de julho a Semana da Cultura, celebrada no mês de novembro e com data variada a cada ano e o Festival de Verão B.C Janeiro, que, conforme o próprio nome diz, é comemorado todos os anos no mês de janeiro.

Esportes

Na tradição esportiva do município, destacam-se a prática do windsurf e kitesurf. O windsurf, windsurfe ou prancha à vela é praticado usando-se um prancha igual à de surfe, com uma vela entre dois e cinco metros de altura; o principal objetivo desse esporte é planar sobre a água a partir da força do vento. Já o kitesurf é um esporte aquático que utiliza uma pipa e uma prancha com uma estrutura de suporte para os pés; pipa presa à cintura da pessoa, que é colocada em cima da prancha e, sobre a água, é impulsionada pelo vento que atinge a pipa; o controle é feito através de uma barra, podendo-se escolher o trajeto e realizar saltos incríveis; este esporte é praticado não somente em Tibau do Sul, como também no Brasil e no mundo.

Além do kitesurf e kindsurf, destacam-se também a prática do atletismo, basquete e futebol. O município possui um ginásio poliesportivo, um clube social, três quadras de esporte e um campo (estádio) de futebol, sendo este último o Estádio Uruá, modernizado em uma parceria realizada entre a prefeitura municipal e o governo federal.

Feriados

Segundo a Associação do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte (AMPERN), em Canguaretama há quatro feriados municipais, oito feriados nacionais e três pontos facultativos. Os feriados municipais são: o dia em que se comemoram os Reis Magos, em 6 de janeiro; o dia de emancipação política, comemorado em 16 de abril; a data do Morticínio de Cunhaú, em 16 de julho, e o dia da padroeira Nossa Senhora da Conceição, comemorado em 8 de dezembro. De acordo com a lei federal n.º 9.093, aprovada em 12 de setembro de 1995, os municípios podem ter no máximo quatro feriados municipais, já incluso neste a Sexta-Feira Santa.