Natal - RN
Natal - RN

Capital Natal - RN                              
Area (Km²)   52 796,791
Números de Municípios 167
População estimada em 2010 3 168 027

 

 
Encanto 1 - RN Encanto 2 - RN Encanto 3 - RN Encanto 4 - RN

Encanto - RN

Encanto - RN                                                    Rio Grande do Norte - RN                                  
População 5.264
Encanto é um município brasileiro no interior do estado do Rio Grande do Norte.

Pertencente à Microrregião da Serra de São Miguel e Mesorregião do Oeste Potiguar, localiza-se a oeste da capital do estado, distando desta cerca de 412 km. Ocupa uma área de 125,747 km², sendo que 0,3682 km² estão em perímetro urbano, e sua população foi recenseada no ano de 2010 em 5 228 habitantes, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, sendo então o 112º mais populoso do estado. Já em 2011, a população estimada foi de 5 264 habitantes, classificando o município na 113ª posição a nível estadual.

Com uma temperatura média de 28,1 ºC, a vegetação predominante no município é a caatinga hiperxófila. Quanto à frota de veículos, foram contabilizados 646 em 2009. Com uma taxa de urbanização de 44,1% (2000), o município contava, em 2009, com apenas três estabelecimentos de saúde. O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M) é de 0,625 (2000), considerado como médio pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), sendo o nonagésimo oitavo maior do Rio Grande do Norte, o 4 221º do Brasil e o terceiro de sua microrregião (atrás apenas de Luís Gomes e Major Sales).

Encanto foi desmembrado de Pau dos Ferros na década de 1960. A versão de sua etimologia é que o nome seja referência ao Pico do Encanto, que se trata de uma formação rochosa que cerca o município. Atualmente sua principal fonte de renda é o setor de prestação de serviços, tendo o comércio como importante atividade econômica.

História

No século XVII, começou a ocorrer a criação de gado e o desenvolvimento da agropecuária em uma pequena propriedade pertencente a Manoel Negrão. A agropecuária teria se desenvolvido devido à fertilidade dos solos daquela região.

Em 1877, assim como ocorreu no Brasil, aquele local foi atingido pela chamada "Grande Seca de 1877-78", que causou mais de um milhão de mortes, além de uma grande epidemia de cólera. No final do século XIX, o atual território correspondente ao município de Encanto era uma simples localidade, com o nome de Joaquim Correia, pertencente ao município de Pau dos Ferros. Este foi desmembrado de Portalegre, após a Resolução Provincial n° 344, em 4 de setembro de 1856, por meio de um projeto apresentado na Assembleia Legislativa Provincial, em Natal, doze dias antes (23 de agosto). Ainda em meados do século XIX, foi construída uma pequena capela de São Sebastião, em um terreno doado pelos senhores José Miguel da Silva, João Antonio da Silva e outras famílias que o habitavam. A área deste terreno doado era de aproximadamente 980 metros quadrados. Com o passar dos tempos, foi sendo construída, ao lado pequena capela, uma capela maior, pelo senhor Joaquim Jerônimo da Silva, já no início do século XIX (1905), son licença do Padre Tertuliano Fernandes.

Essa capela passou por algumas reformas no decorrer do século XIX. A primeira delas ocorreu em 1921, quando se iniciou a construção de uma torre. Dezessete anos depois, foram construídos o altar e as arcadas maiores, sob a responsabilidade de José Apolônio da Costa. No final da década de 1940 (1949) ocorreu a sacristia.

O progresso desde a construção da capela à emancipação política municipal ocorreu de forma lenta. Segundo o historiador Alberto Mendes de Freitas, na década de 50, a população daquele lugar (ainda pertencente ao município de Pau dos Ferros) era de apenas 273 moradores, que habitavam 71 residências, sendo vinte e cinco delas feitas de taipa, enquanto as outras quarenta e seis eram feitas de tijolos. Em 21 de dezembro de 1953, o atual território do município passa a ser um distrito subordinado ao município de Pau dos Ferros, através da lei estadual n° 55.

Finalmente, em 20 de março de 1963, a lei estadual n° 2833 altera o distrito de "Joaquim Correia" para "Encanto" e, ao mesmo tempo, desmembra aquele distrito do município de Pau dos Ferros e o torna novo município do estado do Rio Grande do Norte. O nome do município faz referência ao "Pico do Encanto", tipo de formação de rochosa que cerca aquele município.

Geografia

O município do Encanto está atualmente localizado no estado do Rio Grande do Norte, em uma região conhecida como Alto Oeste Potiguar, na Mesorregião do Oeste Potiguar e Microrregião da Serra de São Miguel, a uma latitude 06º 06' 38" S, longitude 38º 18' 19" W, a uma altitude média de 212 metros, a uma distância média de 412 quilômetros da capital do estado. Sua área total é de 125,747 km², onde apenas 0,3682 são de perímetro urbano. Essa área total do município representa 0,2382% da área do estado do Rio Grande do Norte, 0,0081% da Região Nordeste do Brasil e 0,0015 % de todo o território do Brasil.

Seus municípios limítrofes são Ererê (no estado de Ceará) a norte, Água Nova e Rafael Fernandes a sul, Pau dos Ferros a leste e São Miguel e Doutor Severiano a oeste.

Geologia, relevo, hidrografia e vegetação

A geologia é a ciência que estuda a Terra, sua composição, estrutura, propriedades físicas, história e os processos que lhe dão forma. Oficialmente, o tipo de solo que pode ser encontrado em predominância no território do município do Encanto é do tipo podzólico vermelho amarelo equivalente eutrófico, cujas características principais são a alta fertilidade, a média textura, com drenagem acentuada, relevo suave e ondulado. Em épocas de estiagem, o uso desse solo para agricultura é restrito, além de o solo encantense não exigir alto sistema de manejo, pois somente o uso do baixo e médio nível tecnológico agrícola são suficientes para plantar neste solo.

Encanto está situado em área de abrangência das rochas metamórficas que compõem o embasamento cristalino, de idade Pré-Cambriana média, variando entre 1000 e 2500 milhões de anos, onde predominam gnaisses e migmatitos variados, granitos, xistos e anfibolitos, às vezes cortados por veios de quartzo e pegmatitos. Geomorfologicamente predominam formas tabulares de relevos, de topo plano, com diferentes ordens de grandeza e de aprofundamento de drenagem, separados geralmente por vales de fundo plano. Situado em uma altitude de 212 metros acima do nível do mar, existem no município as serras das Melancias, do Castelo, Cantinho e Croata, respectivamente. Há ainda alguns picos, como o "Pico do Encanto", que deu o nome atual do município.

O município do Encanto encontra-se com 100% do seu território inserido na bacia hidrográfica do rio Apodi/Mossoró. Não existe oficialmente nenhum rio principal que corte o território encantense. O mais próximo é o Rio Apodi, que passa pelo município vizinho de Pau dos Ferros. Ele nasce na Serra da Queimada, em Luís Gomes, e desagua no Oceano Atlântico, após passar pela cidade de Areia Branca, onde recebe o nome de rio Ivipani. Entretanto, o Encanto é banhado por fontes de água secundárias, sendo as mais importantes os riachos Encanto, Riacho do Cabelo, Cacimbinha, além de alguns córregos. O município é abastecido pelo Açude Encanto, com capacidade para de cinco milhões de metros cúbicos de água.

Quanto à vegetação, aquela que predomina no município é do tipo caatinga hiperxófila. Esse tipo de vegetação é caracterizado pela escassez de água, predominante na região nordeste, onde as árvores têm poucas folhas, fazendo com que elas transpirem menos e percam menos água e, consequentemente, vivam por mais tempo.

Clima

O clima do Encanto é semiárido (tipo Aw segundo Köppen), onde a estação chuvosa costuma-se atrasar para a estação do outono e temperatura média anual de 28,1°C, sendo 36°C e 21°C as temperaturas máxima e mínima, respectivamente. Os mês mais quente é dezembro, que tem temperatura média de 29,2°C, sendo a média máxima de 35,3°C e a mínima de 23°C. E o mês mais frio, julho, possui média 25,5°C, sendo 30,7°C e 20,3°C as médias máxima e mínima, respetivamente. O período chuvoso do Encanto e região vai de fevereiro a junho, período que muitos denominam como o inverno dos sertões.

A precipitação média anual é de 843,1 mm, sendo outubro o mês mais seco, quando ocorrem 4,1 mm. Em março, o mês mais chuvoso, a média fica em 212,9 mm. No Rio Grande do Norte, assim como em grande parte do país, as principais causas das queimadas são a agricultura e os tocos de cigarro jogados nas estradas. As altas temperaturas e o clima seco contribuem para o aumento desses índices.

Economia

O Produto Interno Bruto - PIB - do Encanto é o quarto maior de sua microrregião, destacando-se na área de prestação de serviços. 1 468 mil são de impostos sobre produtos líquidos de subsídios a preços correntes. De acordo com dados do IBGE, relativos a 2008, o PIB do município era de R$ 21 761 mil. O PIB per capita é de R$ 4 093,57

O setor primário é o segundo mais relevante da economia de Encanto. De todo o PIB da cidade 3 211 mil reais é o valor adicionado bruto da agropecuária. Segundo o IBGE, em 2009 o município possuía um rebanho de 4 253 bovinos, 130 equinos, 1 196 suínos, 415 caprinos, 265 asininos, 123 muares, 1 170 ovinos, e 14 746 aves, dentre estas 3 576 galinhas e 11 170 galos, frangos e pintinhos. Em 2009 o municipio produziu 499 mil de litros de leite de 867 vacas. Foram produzidas 21 mil dúzias de ovos de galinha e 5 745 quilos de mel-de-abelha. Na lavoura temporária são produzidos principalmente o arroz (332 toneladas), batata-doce (vinte toneladas), cana-de-açúcar (392 toneladas), feijão (96 toneladas), milho (280 toneladas) e tomate (25 toneladas).

O setor secundário é o menos relevante para a economia do município. 1 355 reais do PIB municipal são do valor adicionado bruto da indústria (setor secundário). Já o setor terciário é o mais relevante para a economia municipal. A prestação de serviços rende 15 727 reais ao PIB encantense, sendo a maior fonte geradora do PIB do Encanto. De acordo com o IBGE, a cidade possuía, no ano de 2008, 47 unidades locais, 47 empresas e estabelecimentos comerciais atuantes e 390 trabalhadores, sendo 211 pessoais ocupados totais e 179 ocupados assalariados. Salários juntamente com outras remunerações somavam 1 851 reais e o salário médio mensal de todo município era de 1,7 salários mínimos, semelhante ou igual a outros municípios da região, como Pau dos Ferros, Doutor Severiano, São Miguel, Venha-Ver e Coronel João Pessoa.

Educação

O município conta com escolas em algumas de suas regiões. Parte da população que vive na zona rural tem acesso a escolas em bairros urbanos próximos em razão da média taxa de urbanização. No ano de 2009, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) das escolas estaduais era de 3,7, enquanto que o índice das escolas municipais era de 3,4, numa escala que vai de 1 a 10. O município contava, em 2009, com aproximadamente 1 011 matrículas, cinquenta docentes e nove escolas nas redes públicas e particulares.

Segundo dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) e do Ministério da Educação (MEC), o índice de analfabetismo no ano de 2000 entre pessoas de 18 a 24 anos de idade era de 26,730%. A taxa bruta de frequência à escola passou de 64,96% em 1991 para 81,80% em 2000. 395 pessoas possuíam menos de 1 ano de estudo ou não contavam com instrução alguma.

Cultura

A secretaria responsável por atuar no setor cultural, como na educação, é a Secretaria Municipal de Educação e Cultura, cuja chefia de gabinete é atualmente exercida por Maria Aparecida Granjeiro de Souza.

A prefeitura, com a órgãos vinculados, organiza diversos projetos que envolvem itens relacionados à cultura (como artes e artesanato), entre eles o Projeto Sexta Cultural, realizado doze vezes anualmente, na primeira sexta-feira de cada mês; e a I Regional de Futsal, realizado pela primeira vez em julho de 2011 e que contou com equipes vindas dos estados do Rio Grande do Norte, Paraíba e Ceará. No município, existem algumas associações culturais, desportivas, sociais, entre outros, como, por exemplo, a "Associação Comunitária dos Produtores Rurais de Nova Esperança", "Associação Comunitária Encanto", "Associação Comunitária de Encanto" e "Associação Comunitária dos Produtores de Nadador".

No ramo literário, pode-se destacar o "Projeto Encanto no Livro", criado por meio de uma iniciativa entre a Secretaria de Cultura e a Escola Municipal Maria Pereira Leite, sendo um dos projetos mais importantes de leitura no município.

Turismo e eventos

Dentre os pontos turísticos conhecidos daquele município, destaca-se a capela de São Sebastião, que hoje é a igreja matriz, sede da paróquia, pertencente à Diocese de Mossoró. A pequena capela foi construída em 1905 e passou por algumas reformas no decorrer de sua história, como a construção da torre (1921) e a construção do altar e arcadas (1938).

Para estimular o desenvolvimento socioeconômico local, a prefeitura do Encanto, juntamente ou não com empresas locais, investe no segmento de festas e eventos. Essas festas, muitas vezes atraem pessoas de outras cidades, exigindo uma melhor infraestrutura no município e estimulando a profissionalização do setor, o que é benéfico não só aos turistas, mas também a toda população da cidade. Dentre os principais eventos realizados no município, os principais são o projeto Sexta Cultural, realizado em todas as primeiras sextas-feiras de cada mês; a Festa de São Sebastião (padroeiro municipal), que ocorre durante dez dias, entre 10 e 20 de janeiro, anualmente, além da festa de emancipação política do Encanto, que ocorre em 20 de março. Além desses, também são organizados o "Arraiá da Roça" (desde 2009), o "Arraiá Intinerante" (desde 2011), a Conferência Municipal de Saúde (desde 2008),entre outros.

 Feriados

No Encanto, há dois feriados municipais, oito feriados nacionais e três pontos facultativos. Os feriados municipais são o dia 20 de janeiro (dia do padroeiro) e 20 de março, dia em que o município comemora seu aniversário de emancipação política, quando foi desmembrado de Pau dos Ferros, em 1963. De acordo com a lei federal n.º 9.093, aprovada em 12 de setembro de 1995, os municípios podem ter no máximo quatro feriados municipais, já incluso neste a Sexta-Feira Santa.