Rio de Janeiro - RJ
Rio de Janeiro - RJ

Capital                        Rio de Janeiro - RJ                          
Area (Km²)   43 696,054
Números de Municípios 92
População estimada em 2010 15 993 583

 

 
Barra Mansa 1 - RJ Barra Mansa 2 - RJ Barra Mansa 3 - RJ Barra Mansa 4 - RJ

Barra Mansa - RJ

Barra Mansa - RJ               Rio de Janeiro - RJ           
População 177 861
Barra Mansa é um município brasileiro situado no sul do estado do Rio de Janeiro, na microrregião do Vale do Paraíba dentro da mesorregião do Sul Fluminense. Localiza-se a uma latitude 22º32'39" sul e a uma longitude 44º10'17" oeste, estando a uma altitude de 381 metros. Sua população estimada em 2008 era de 176.469 habitantes, formando uma conurbação com as cidades de Volta Redonda e Pinheiral com uma população de mais de 450 mil habitantes. Possui uma área de 548,9 km².

Seu centro administrativo e legislativo é o bairro Centro já que nele estão localizados a prefeitura e a câmara municipal e seu centro judiciário é o bairro Barbará pois nele está situado o fórum municipal.

Em 1954 Volta Redonda emancipou-se e em 1991 foi a vez de Quatis, levando consigo os distritos de Ribeirão de São Joaquim e Falcão. Em 1993 Antônio Rocha foi elevado a condição de distrito assim como o bairro Santa Rita de Cássia, no ano de 2006.

A população de Barra Mansa, é composta por descendentes de imigrantes europeus (principalmente portugueses, italianos, e espanhóis), mas também de franceses e alemães, além de uma dinâmica colônia sírio-libanesa, assim como também de ameríndios e de escravos africanos.

Com toda essa riqueza racial, o município continua sendo uma das maiores cidades do Sul Fluminense, ficando, em termos de produção econômica, atrás apenas de Volta Redonda e de Resende, como mostra a análise do PIB destas cidades. O município tem a segunda maior população da região, possuindo mais de 528 unidades industriais, um grande entroncamento ferroviário, rodoviário e fluvial, e uma posição privilegiada, estando próximo às duas maiores metrópoles brasileiras: o Rio de Janeiro e São Paulo. O município é próximo também a importantes centros econômicos regionais como São José dos Campos, Juiz de Fora e Volta Redonda, e faz divisa com outras cidades importantes, como a própria Volta Redonda e Resende.

O município tem um comércio forte e tradicional, principalmente no Centro, Estamparia e Ano Bom. Seus bairros nobres são o Centro, Santa Rosa, Verbo Divino, Ano Bom, Bairro de Fátima e Jardim Boa Vista. Os bairros mais pobres são os da Periferia Leste do Distrito Sede (Barra Mansa).

Seus monumentos principais são a Fazenda da Posse, a sede da prefeitura, o Palácio Barão de Guapi o Jardim das Preguiças e a Ponte dos Arcos. Os quatro principais rios que cortam o município de Barra Mansa são o Paraíba do Sul, o Barra Mansa o Bananal e o Bocaina.

História

Por volta do ano de 1700, chegar a São Paulo era uma tarefa quase impossível, por causa da barreira natural criada pela Serra do Mar. Mas, para que a viagem se tornasse mais rápida, o então governador Luís Vaía Monteiro ordenou que fosse aberto um caminho através da serra de Itaguaí.

Depois de concluído o caminho, várias incursões foram feitas até o rio Paraíba do Sul, mas sem o compromisso de se formar povoados ou vilas. Estas incursões eram quase sempre formadas por aventureiros à procura de ouro ou por caçadores. O primeiro indício de povoamento se deu em 1764 quando Francisco Gonçalves de Carvalho obteve junto ao vice-rei D. Antônio Álvares da Cunha, uma sesmaria para fundar uma fazenda de gado e mantimentos (Fazenda da Posse (em inglês)) entre o rio Paraíba do Sul e o rio Bananal, exatamente no local onde se encontrava um córrego chamado de Barra Seca ou Barra Mansa.

Em 1765, José Alberto Monteiro também obteve do vice-rei uma sesmaria à margem do Rio Paraíba, onde é hoje Volta Redonda. Com o passar dos anos, estas sesmarias foram mudando de donos, até que, por volta de 1827, chegaram, por herança, às mãos do Coronel Custódio Ferreira Leite, o Barão de Aiuruoca, fundador do município. A partir daí, o local tornou-se ponto obrigatório de passagem de tropas de viajantes a caminho de portos marítimos. Em 1800, nas terras de Henrique Magalhães, bem próximas à foz do rio Barra Mansa, já existia um engenho e uma capela. Aos poucos, um pequeno núcleo populacional começou a surgir e o início do povoamento animou o Coronel Custódio Ferreira Leite, que mandou construir outra capela, à margem direita do Paraíba, também dedicada a São Sebastião, localizava-se quase em frente à Fazenda Ano Bom, na margem oposta do rio.

O pequeno povoado foi crescendo e, em 3 de outubro de 1832, graças a um ofício dirigido à Assembleia Geral Legislativa do Império, foi criada a Vila de São Sebastião de Barra Mansa, passando a fazer parte da vila terras desmembradas das vizinhas Resende, Valença e São João Príncipe. Em 1954, teve emancipado o até então distrito de Santo Antônio de Volta Redonda e em 1991 os distritos de Quatis, Falcão e Ribeirão de São Joaquim.

Geografia

O município de Barra Mansa se estende em uma área de 548,90 km². E fica localizado às margens do Rio Paraíba do Sul, na região fluminense do Médio Vale do Paraíba, entre as Serra do Mar e da Mantiqueira.

Barra Mansa faz divisa com 8 municípios sendo um no estado de São Paulo

    Valença - Norte
    Quatis - Norte e Oeste
    Resende - Oeste
    Porto Real - Oeste
    Bananal, em São Paulo - Sul
    Rio Claro - Sul
    Volta Redonda - Leste
    Barra do Piraí - Leste

Segundo estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, a população estimada em 2010 é de 177.861 habitantes.

A maior usina siderúrgica da América Latina, a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), está em sua conurbação, localizando-se no município de Volta Redonda.

O município dispõe de uma significativa bacia hidrográfica e é servida pelo mais importante tronco ferroviário do país (MRS Logística e Ferrovia Centro Atlântica). Além disso, conta com excelente sistema rodoviário, que faz a ligação com as principais capitais e cidades da Região Sudeste. A rodovia Presidente Dutra (BR-116) é seu eixo central.

O município goza de uma posição geográfica muito privilegiada, localiza-se há 120 quilômetros da cidade do Rio de Janeiro, 300 quilômetros de São Paulo, 460 quilômetros de Belo Horizonte, 650 quilômetros de Espírito Santo, 85 quilômetros do porto de Angra dos Reis e 90 quilômetros do porto de Sepetiba, no município de Itaguaí.

Fauna e Flora

    Floresta do Cafundó:

Também chamada de Mata do Cafundó. Sua área distribui-se pelos Distritos de Sede, Floriano, e Rialto, e é equivalente a 1% do território do município, sendo um dos remanescentes mais representativos de Mata Atlântica em excelente estado de conservação. Por lei municipal é considerada Área de Preservação Ambiental. Segundo moradores locais ainda podem ser encontrados representantes da fauna ameaçados de extinção, como a suçuarana ou onça-parda (Puma concolor), o caititu (Tayassu tajacu) e várias espécies de aves, além de exuberante flora nativa. Dado o interesse científico desta área, é fundamental que seja designada uma Unidade de Conservação, visto que ainda podem ser encontrados nesta floresta grupos de sagui-da-serra escuro ou sagui-do-Vale do Paraíba (Callithrix aurita), espécie das matas do sudeste brasileiro e ameaçado de extinção, devido ao intenso desmatamento ocorrido no Vale do Paraíba, podendo ser esta área um dos últimos remanescentes do vale, onde ela pode ser encontrada.

    Mata do Pavão:

Situada no distrito de Rialto, é uma das áreas remanescentes mais representativas da Mata Atlântica e encontra-se em excelente estado de conservação. Segundo moradores locais, ainda podem ser encontrados representantes da fauna ameaçados de extinção, como a onça parda (Felix sussuarana), porco do mato (Cateto), várias espécies de aves, além da exuberante flora nativa.

    Floresta da Cicuta:

Uma área ecológica destinada a preservação da fauna, mananciais, vegetação, estudos e recreação. A floresta encontra-se na Fazenda Santa Cecília, de propriedade da Companhia Siderúrgica Nacional. A Floresta da Cicuta compreende cerca de 800 hectares, sendo que 85% da floresta está em território barra-mansense e o restante no município de Volta Redonda.

É um importante remanescente da Mata Atlântica fluminense. Na Floresta de Cicuta é comum a presença de árvores imponentes da Mata Atlântica, como o jequitibá, o pau-ferro, o chichá e a figueira branca, muitas delas tendo de 35 a 40 metros de altura. Em termos de fauna, aparecem aves como o juriti, a rolinha, o joão-de-barro e o tiê-sangue. Dentre os mamíferos destacam-se a paca, a cutia, o caxinguelê, a capivara, o bugio e a jaguatirica, sendo os dois últimos espécies ameaçadas de extinção.

Clima

Mesotérmico, com verões quentes e chuvosos e inverno seco. A umidade relativa do ar varia entre 77% a 69%; a temperatura média encontra-se entre 22,25°C, sendo que as mais baixas registram-se no período de maio a setembro (média mínima de 13,7°C) e as mais altas entre novembro a março (média máxima 29,74°C).

O período de chuvas está entre os meses de outubro a abril com pluviosidade de 1.192,8 mm/ano. A precipitação média anual varia em torno de 1.592,5 mm de chuva, sendo de dezembro a março o período mais chuvoso (média de 247,87 mm/mês) e de maio a setembro o mais seco (média de 36,02 mm/mês). Com relação à insolação, a média mensal é de 156,45 horas. Apresenta extremo máximo mensal de 236,6 horas e extremo mínimo mensal de 99,6 horas. A média diária é de 10,30 horas, sendo seu máximo de 12,1 horas e o mínimo de 7,6 horas.

Carnaval

Desde a década de 1920 ocorrem manifestações de cunho carnavalesco no município, com a apresentação de diversas escolas de samba, blocos de rua e bailes de carnaval.

Após um breve período de declínio, o carnaval de Barra Mansa vem se recuperando nos últimos anos. A festa foi transferida das ruas do centro para o Parque da cidade, onde há mais espaço disponível e conforto para a realização dos desfiles e de bailes populares.

Além dos Blocos e Escolas, merece menção o tradicional Bloco do Boi, formado por moradores do bairro Roberto Silveira, onde anualmente pessoas fantasiadas de bovinos vão às ruas simular touros indomados, fazendo a alegria das crianças.