Pernambuco - PE
Recife - PE

Capital Recife - PE                            
Area (Km²)   98 311,616
Números de Municípios 185
População estimada em 2010 8 796 032

 

 
Carnaubeira da Penha 1 - PE Carnaubeira da Penha 2 - PE Carnaubeira da Penha 3 - PE Carnaubeira da Penha 4 - PE

Carnaubeira da Penha - PE

Carnaubeira da Penha - PE                        Pernambuco - PE                                          
População 11.782
Carnaubeira da Penha é um município brasileiro do estado de Pernambuco.

Localiza-se a uma latitude 08º19'09" sul e a uma longitude 38º44'41" oeste, estando a uma altitude de 446 metros. Sua população estimada em 2009 era de 12.451 habitantes. Possui uma área de 1010 km².

História

A ocupação do território acompanhou o ciclo da pecuária, que iniciou nesta região após a expulsão dos holandeses (1654), a partir da Casa da Torre. Os Garcia D´Ávila concederam grandes extensões de terra a seus familiares pelos vales do São Francisco e Pajeú, estabelecendo as primeiras fazendas. Estas ocupações enfrentaram a resistência dos índios que viviam no Vale do Pajeú, do Piancó e do Piranha entre 1694 e 1702, na chamada "guerra dos bárbaros". Esta resistência fez com que muitos abandonassem suas fazendas. A mando da Casa da Torre, o fazendeiro do São Francisco, o coronel Manoel Araújo de Carvalho, combateu os índios e retomou as terras. Os fazendeiros e vaqueiros tornaram a ocupá-las.

A partir da Lei Imperial do Registro de Terras de 1850 iniciou-se a legalização das propriedades. O governo imperial extinguiu os aldeamentos indígenas em Pernambuco entre 1860 e 1880 e os povos indígenas que habitavam a região se deslocaram para locais de difícil acesso, como as serras de Umã e Arapuá.

Pela Lei Municipal nº 02, em 11 de Abril de 1896 o prefeito de Floresta, o coronel Casé, criou o distrito de Penha, a partir de uma povoação existente na região. Chamava-se Penha em homenagem à padroeira, Nossa Senhora da Penha. O povoado vivia principalmente da pecuária bovina e caprina e da agricultura de subsistência (feijão, algodão, milho, arroz, mandioca e batata-doce).

Segundo a lei municipal nº 2, de 19 de Janeiro de 1948 foi criado no município de Floresta o distrito de Carnaubeira, nome dado devido à quantidade de Carnaúbas existente na região. O município foi criado em 1 de Outubro de 1991 e foi instalado em 1993.

Segundo o Instituto Socioambiental, "a Serra do Arapuá possui 47 núcleos populacionais denominado pelos indígenas de “aldeias”, entre eles a Serra da Cacaria, que geograficamente se distingue dos demais por ser um relevo independente". Nestas aldeias habitam índios Pankará, que estão em processo de territorialização, pequenos agricultores não-índios e médios fazendeiros. Segundo o IBGE, também habita a Serra do Arapuá uma comunidade quilombola.

Na Serra de Umã está a Reserva Indígena dos Índios Atikum, que vivem da agricultura de subsistência.

Geografia

O município está incluído na área geográfica de abrangência do semiárido brasileiro, definida pelo Ministério da Integração Nacional em 2005. Esta delimitação tem como critérios o índice pluviométrico inferior a 800 mm, o índice de aridez até 0,5 e o risco de seca maior que 60%.

Carnaubeira da Penha situa-se na unidade geoambiental da Depressão Sertaneja. A vegetação nativa compõe-se de caatinga hiperxerófila com trechos de floresta caducifólia. O clima é tropical semiárido, com chuvas de verão. As chuvas iniciam em novembro e terminam em abril, com precipitação média de 431,8 mm.

Carnaubeira é constituída pelo Distrito-Sede e possui os Distritos da Barra do Silva, do Olho D'Água do Padre e do Massapê.

O município de Carnaubeira da Penha está nos domínios da bacia hidrográfica do Rio Pajeú e tem como principais tributários os riachos Grande, da Carnaubeira, do Brejo, do Agreste, do Angico, do Poço da Pedra, do Boqueirão, do Mingu, do Capim, dos Pocinhos, da Pedra do Açude, do Zacarias, da Cachoeira, do Serrotinho, dos Bodes, do Tapuio, Jatobá, do Forno, do Simão, do Mundé, do Arcanjo, da Malhada Grande, do Carro Quebrado e do Soldado, todos de regime intermitente. Conta ainda com os recursos hídricos das lagoas Redonda, da Caatinga, do Tabuleirote, do Mimoso, da Formosa, do Campo Grande, da Cobra, do Pé de Serra e do Boi.

Economia

O município produz frutas como banana, umbú, manga, laranja, coco e castanha de caju.

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal-IDH-M é de 0,537, o que situa o município em 180o no ranking estadual e em 5388o no nacional.