Paraiba - PB
João Pessoa - PB

Capital João Pessoa - PB                             
Area (Km²)   56 439,838
Números de Municípios 223
População estimada em 2010      3 766 834

 

 
Alagoa Grande 1 - PB Alagoa Grande 2 - PB Alagoa Grande 3 - PB Alagoa Grande 4 - PB

Alagoa Grande - PB

Alagoa Grande - PB                         Paraiba - PB                                      
População 28.482
Alagoa Grande é um município brasileiro do estado da Paraíba,

localizado na microrregião do Brejo Paraibano. De acordo com o censo realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) no ano 2010, sua população é de 28.482 habitantes. Área territorial de 320,558 km².

História

O nome da cidade é escrito numa forma arcaica de português, já que atualmente não se escreve mais a palavra lagoa com a aposição de "a" inicial (embora em Portugal ainda haja essa grafia para lagoa).

Como cidade da Região do Brejo da Paraíba (isto é, uma região intermediária entre o Litoral e o Sertão, situada na encosta da Serra da Borborema que recebe os ventos alísios úmidos do Atlântico e tem uma cobertura vegetal de Mata Atlântica), era parte integrante do município de Areia (cidade onde nasceu José Américo de Almeida, político e romancista, autor de A Bagaceira) até meados do século XIX, quando se tornou independente como cidade.

O ano de 1864 é considerado como o ano de sua fundação, mas em 1847 já havia passado de povoado a distrito. Foi emancipada politicamente em 21 de Outubro de 1864, sendo instalada, como vila, em 26 de Julho de 1865. Aos 27 de Março de 1908, Alagoa Grande foi elevada à categoria de cidade. Por conta desta última data muitos acreditam que o município irá completar 1 século de emancipação no próximo ano (2008), quando na verdade já decorreram 143 anos deste fato histórico.

Esta era uma região que cresceu muito no século XIX, através da agricultura baseada na cana-de-açúcar (que destruiu a Mata Atlântica do lugar, desfigurando a cobertura vegetal) que utilizava intensivamente a mão-de-obra escrava. Em seu centro ainda existem casarões que ainda hoje testemunham esse momento de grandeza econômica do município e foram construídos por escravos. Alguns desses casarões, que aparecem em frente à praça central e à matriz centenária da cidade, são cobertos por azulejos importados de Portugal no século XIX.

Embora a cidade tenha se estagnado economicamente ao longo da segunda metade do século XX (com a população ao invés de aumentar, diminui, principalmente por causa do êxodo para as grandes cidades). Alagoa Grande tem um grande potencial turístico que pode ser economicamente explorado, trazendo divisas para o município (tanto o turismo histórico, quanto o turismo rural e ecológico).

Neste município se localiza a comunidade quilombola de Caiana dos Crioulos, herança dos negros que ajudaram no crescimento econômico e cultural da cidade.

Formação Administrativa

Distrito criado com a denominação de Alagoa Grande, pela lei provincial nº 38, de 01-10-1861, subordinado ao município de Areia.

Elevado à categoria de vila com a denominação de Alagoa Grande, pela lei provincial nº 129, de 21-10-1865, desmembrado de Areia. Sede no núcleo de Alagoa Grande. Constituído do distrito sede. Instalado em 26-10-1865.

Elevado à condição de cidade com a denominação de Alagoa Grande, pela lei estadual nº 286, de 27-03-1908.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município é constituído do distrito sede.

Assim permanecendo em divisão administrativa referente ao ano de 1933.

Assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, o município aparece constituído de 2 distritos: Alagoa Grande e Juarez Távora.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VII-1955.

Pela lei estadual nº 2146, de 16-07-1959, desmembra do município de Alagoa Grande o distrito de Juarez Távora. Elevado à categoria de município.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído do distrito sede.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Tragédia

Em 17 de junho de 2004, rompeu-se a barragem Camará (localizada no município de Alagoa Nova, a aproximadamente 140 km de João Pessoa), construída três anos antes no Rio Mamanguape. O rompimento da barragem elevou o nível do Mamanguape em mais de cinco metros, inundando tanto Alagoa Nova como Alagoa Grande, rio abaixo. Nesta, em alguns pontos, a água atingiu quase dois metros de altura dentro das casas.

A ponte que ligava a cidade aos municípios de Areia e Alagoa Nova foi destruída e levada pelas águas. Mulungu e Alagoa Grande, que têm ao todo cerca de 45 mil moradores, ficaram sem água, energia elétrica e telefone.

O total de desabrigados foi calculado em aproximadamente 1.600 pessoas.