Vitória - ES
Vitória - ES

Capital Vitória - ES                               
Area (Km²)   46 077,519
Números de Municípios 78
População estimada em 2010 3 512 672

 

 
Ecoporanga 1 - ES Ecoporanga 2 - ES Ecoporanga 3 - ES Ecoporanga 4 - ES

Ecoporanga - ES

Ecoporanga - ES    Espirito Santo - ES
População 29 891
Ecoporanga é um município brasileiro do estado do Espírito Santo. Situado na região Noroeste do estado se destaca na produção de leite e na extração e beneficiamento de rochas ornamentais.

História

A história de Ecoporanga começa em 1934, quando Jacinto Antônio Dias, um pioneiro, vem das terras de Minas Gerais, saindo de Conselheiro Pena, trazendo junto nesta caminhada de migrante a mulher Guilhermina Joana de Jesus e seus doze filhos. A região era coberta de matas, não havia estradas, meios de transporte e nem energia elétrica. Neste tempo as pessoas andavam a pé ou a cavalo para percorrer as terras do município. Quando Jacinto Antônio Dias chegou, ele não se limitou a tomar posse de uma nova terra, nela plantando e erguendo um rancho. Fez mais, criou um núcleo de desbravamento. Ante as possibilidades que vislumbra no lugar, reclama reforços, convoca mais braços para o trabalho comum, traz gente de Minas Gerais. Assim começa a formar um núcleo urbano. Naquela época já havia chegado à região o Frei Inocêncio de Comiso da ordem dos Capuchinhos, e então à pedido do frei, Jacinto Antônio Dias faz a doação de 28 hectares de terra, em 1937 destinados à fundação de um patrimônio em honra de Nossa Senhora do Monte Serrat. A presença do frei, no Alto São Mateus, estava ligada a ação missionária que esses religiosos, desde a década de setenta do século XIX exerceram nas selvas entre os rios Mucuri e Doce, na catequese dos índios e na pregação de missões ambulantes. A partir da doação desta terra de 28 hectares foi formado o núcleo populacional que receberia a denominação de Patrimônio do Quinze, posteriormente Nova Betânia, Rubinópolis e, finalmente, Ecoporanga.

Formação do Município de Ecoporanga

Na década de 40 toda a região fazia parte do Município de Barra de São Francisco. O Sr. Tolentino Xavier Ribeiro candidatou-se a vereador por aquele município, percorreu por esses arredores em busca de voto. Sensibilizado com tanta dificuldade enfrentada pelo povo em percorrer a pé ou a cavalo para fazer suas compras e todo tipo de negócio em Barra de São Francisco, prometeu ao povo que se eleito fosse lutaria pela emancipação política deste lugar. Elegeu-se e lutou junto às autoridades estaduais para conseguir cumprir sua promessa.

No dia 29 de dezembro de 1953, o Presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo, Jefferson de Aguiar, através da lei N° 776 de 1953, Art. 6º, que passou a vigorar no dia 1º de janeiro de 1954, transfere a sede do distrito de Ribeirãozinho para o povoado de Rubinópolis, passando a chamá-lo de Ecoporanga. No Art. 7º da mesma lei, a região que se encontra o recém criado Distrito de Ecoporanga é desmembrada do Município de Barra de São Francisco-ES e passa a fazer parte do Município de Joeirana (atual Ataléia-MG).

Toda esta região estava no chamado “Contestado”, disputa de terras entre os estados de Minas Gerais e Espírito Santo. No início de 1955 a sede do Município de Joeirana estava ocupada por autoridades do Estado vizinho, então o Presidente da Assembléia Legislativa do Espírito Santo, o mesmo Jefferson de Aguiar que a pouco mais de um ano antes havia tornado Ecoporanga distrito de Joeirana, fez no dia 12 de janeiro de 1955 a lei N° 897, que autorizava a instalação da sede do Município de Joeirana no Distrito de Ecoporanga. O Presidente autorizou ainda que o Governador nomeasse o Prefeito Municipal de Joeirana, que foi Tolentino Xavier Ribeiro, até que o Egrégio Tribunal Eleitoral determinasse a realização de eleições para prefeito e vereadores. O Município de Joeirana ficou assim dividido: Ecoporanga (sede) e os distritos de Cotaxé, Novo Horizonte, Joassuba e Joeirana Esta transferência de sede do Município foi autorizada até que Minas Gerais devolvesse a sede original para o Estado do Espírito Santo, fato que nunca ocorreu.

O Município de Joeirana com sede em Ecoporanga foi efetivamente instalado em 9 de abril de 1955, data que é comemorada até hoje como a fundação do município.

Pela lei estadual nº 1.121, de 16 de outubro de 1956, assinada pelo Governador Francisco Lacerda de Aguiar, o Município de Joeirana passa a denominar-se Ecoporanga.

Pela lei N° 1.158 de 27 de novembro de 1956 fica criada a Comarca de Ecoporanga, que antes era servida pela Comarca de Barra de São Francisco-ES

Pelo decreto estadual nº 264, de 15 de setembro de 1963, do Estado do Espírito Santo e decreto estadual nº 7166, de 15 de setembro de 1963, do Estado de Minas Gerais, o distrito de Joeirana passou a integrar difinitivamente ao Estado de Minas Gerais se transformando em Município de Ataléia.

Pela lei estadual nº 3046, de 14 de maio de 1976, são criados os distritos de Imburana e Santa Luzia do Norte e anexados ao município de Ecoporanga.

Em divisão territorial datada de 01 de janeiro de 1979, o município é constituído de sede e 5 distritos: Ecoporanga, Cotaxé, Imburana, Joaçuba, Novo Horizonte e Santa Luzia do Norte.

Pela lei nº 473, de 25 de outubro de 1990, é criado o distrito de Santa Terezinha e anexado ao município de Ecoporanga.

Em divisão territorial datada de 01 de janeiro de 1995, o município é constituído de sede e 6 distritos: Ecoporanga, Cotaxé, Imburana, Joaçuba, Novo Horizonte, Santa Luzia do Norte e Santa Terezinha.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2005.

Nome

Até hoje não se sabe ao certo qual a origem do nome Ecoporanga, mas há duas versões mais difundidas. Na primeira levá-se em conta a origem indígena do nome, que significaria Terra de Prosperidade em língua Tupi. O dicionarista Luis Carlos Tibiriçá, no seu Dicionário Tupi-Português, registra com significado de Ecoporanga beleza e virtude, termos que se aproximam da tradução inicial. A outra, mais verossímil, foi dado segundo a tradição local como sendo a junção das palavras Eco e Poranga, pois, na época da colonização se ouvia o eco do nhambu, ave chamada pelos indígenas de poranga. Qualquer que seja a explicação, o fato é que o nhambu se incorporou às tradições da cidade, consagrando-se ao ser incluído no brasão de armas do município, onde se destaca em negro contra o fundo branco da parte inferior.

Religião

Ecoporanga possui inúmeras igrejas, a maioria da população se denomina Católica, mas há um grande numero de denominações históricas: Igreja Católica Apostólica Romana, Igreja Evangélica Assembléia de Deus, 1ª Igreja Batista, Igreja Batista Nacional, Igreja Presbiteriana do Brasil e Igreja Presbiteriana Renovada. Conta também com inúmeras denominações do ramo Neopentecostal como Igreja Deus é Amor, Igreja Fonte de Águas Vivas, Igreja Mundial do Poder de Deus, Igreja Internacional da Graça de Deus e a COBEVE(Comunidade Batista Esperança) oriunda da 1ª Igreja Batista.