Salvador - BA

Salvador - BA

Capital         Salvador - BA 
Área (km²) 567 295,669                                
Número de municípios 417
População estimada  em 2010   14 016 906

 

 
Barra da Estiva 1 - BA Barra da Estiva 2 - BA Barra da Estiva 3 - BA Barra da Estiva 4 - BA

Barra da Estiva - BA

Barra da Estiva - BA    Bahia - BA                    
População  21,190
Barra da Estiva é um município brasileiro do estado da Bahia. Sua população estimada em 2004 era de 28.131 habitantes

História

Data de Emancipação

A história da emancipação de Barra da Estiva está intimamente ligada ao município de Jussiape devido as alternâncias na mudança de sede do município. Até a década de 90 os barrestivenses tinham como data de emancipação política 26/10/1982.

Formação Administrativa

A freguesia foi criada pela Resolução Provincial nº 1.606, de 8 de junho de 1876. Presume-se tenha sido seu primeiro vigário o padre Antônio de Pádua Folha.

O distrito foi criado pela Resolução Provincial nº 2.443, de 9 de maio de 1884, e o município, com sede na povoação da Fazenda do Gado e a denominação de Jussiape, pelo Ato de 26 de outubro de 1890, tendo sido seu território desmembrado do município de Brejo Grande, que mais tarde passou a denominar-se Ituaçu. O seu funcionamento começou em 20 de maio de 1898.

Pela lei estadual nº 1409, de 29-06-1920, a sede do município de Jussiape, foi transferidapara a povoação de Barra da Estiva passando o município a denominar-se Barra da Estiva e Jussiape à condição de distrito (mudança de Sede).

Nos quadros de apuração do recenseamento geral de 1-09-1920, o município é constituído de 2 distritos: Barra da Estiva e Jussiape.

Pela lei estadual nº 1521, de 13-08-1921, o município voltou a denominar-se Jussiape e Barra da Estiva à condição de distrito.

Pela lei estadual nº 1985, de 15-06-1927, que também elevou à categoria de cidade, o município voltou a denominar-se Barra da Estiva e Jussiape à condição de distrito.

Portanto, a data de emancipação política da cidade de Barra da Estiva de acordo com a lei 1985, é 15 de junho de 1927.

As primeiras Construções

A primeira casa localizava-se onde se encontra hoje Nil Contabilidade, as outras tiveram lugar no geraizinho. Na mesma época, foi construída a capela em louvor ao bom Jesus, que é o padroeiro da cidade, no local onde está hoje a matriz, no fundo da capela, o terreno foi utilizado para comércio.

Primeiros Habitantes

A região era primitivamente habitada pelos índios tapajós.

Integrante da sesmaria da Casa da Ponte, o território foi adquirido pelo sertanista André da Rocha Pinto no início do Século XVIII. Falecendo Rocha Pinto em 1732, seu filho Sebastião da Rocha Pinto intensificou o povoamento, desenvolvendo a agropecuária. Formou-se o povoado Capão, posteriormente chamado Barra da Estiva.

Festas Populares

As principais festas são: Festas dos santos padroeiros (N.Sª. da Conceição e bom Jesus), Festa do São João e Micareta.

Pontos Turísticos

Morro da torre (morrão). - Rio do Triunfo do Sincorá. - Rio Sincorá da Barragem.

Sobre a principal economia

Café - Origem e evolução” Um dos grandes projetos agrícolas, e o que mais desenvolveu em nossa região, fazendo com que as mesmas crescessem em todos os sentidos, foi o cultivo do café. A primeira plantação de café feita em nosso município foi pelo o intermédio de Aprígio Freitas, Capitão do Mato, que aqui chegou ao ano de 1860, à procura de voluntários para a guerra do Paraguai. Era ele, natural de Caetité de onde trouxe as primeiras mudas para o plantio. As primeiras mudam eram de café Nacional, cultivados e conhecidos por todos. Em 1971, através de Nercy Duarte, padre de nossa comunidade na época, com o auxílio do Dr. Aucides, chefe do setor genético do café do IBC, filiado à faculdade de Campinas, que conseguiu para um futuro próximo, investimentos bancários para o plantio e renovação dos cafezais. O Dr. Aucides foi de grande ajuda, fornecendo dados técnicos, e com sua experiência, foi iniciando o primeiro plantio técnico do café catuaí em 1972, na Fazenda Geraizinho. No início, eles tiveram várias dificuldades, principalmente porque os senhores mais antigos, não quiseram aceitar o novo plantio do café catuaí. Começaram então a construção de viveiros na Faz. Vitória, nos fundos da casa paroquial, no terreno onde hoje está construída a Creche e no terreno de João Moreira. Na Faz. Vitória foram feita em média 200 mil mudas pelos alunos do Colégio CENC, onde alguns deles plantaram, conseguindo bons resultados, com o sucesso obtido, seus pais resolveram adotar o novo café. Pouco tempo após as primeiras plantações de café catuaí, o Banco do Brasil foi aberto em nossa cidade, dando oportunidades para que diversas pessoas pudessem renovar ou fazer suas plantações. Daí em diante o cultivo do café passou a ser expansivo. Dentre as variedades cultivadas em nossa região temos: O café Nacional, bobão amarelo, mundo novo e o catuaí. Os primeiros cultivadores de café foram: Josias Dias, Manuel Alves, e como maior produtor Alfiles Bernados. Os primeiros técnicos que auxiliaram as primeiras plantações do catuaí foram José Sobrinho e Lázaro de Tal. Para mostrar a importância do produto os alunos desfilaram expondo o produto nas praças, com o passar do tempo o município ficou conhecido até aos dias de hoje como terra do café.

Clima:

O clima é salubre. A temperatura da sede apresentou em 1956, os seguintes dados: média máxima de 28ºc, média mínima de 18ºc, média compensada 23ºc. Registram-se chuvas no período de novembro e janeiro (chuva de verão) e inverno rigoroso entre maio e agosto.