Manaus - AM
Manaus - AM

Capital   Manaus - AM
Área (km²) 1.570.745,680                                                            
Número de municípios                                         62
População estimada em 2010                             3.480.937

 

 
 
Eirunepé 1 - AM Eirunepé 2 - AM Eirunepé 3 - AM Eirunepé 4 - AM

Eirunepé - AM

Eirunepé - AM Amazonas - AM  
População             30 666    

Eirunepé é um município brasileiro no interior do estado do Amazonas. Pertencente à Microrregião de Juruá e Mesorregião do Sudoeste Amazonense, localiza-se a sudoeste da capital do estado, distando desta cerca de 1 160 km. Ocupa uma área de 15 832 km², sendo que 4,3172 km² estão em perímetro urbano, e sua população foi contada no ano de 2010 em 30 666 habitantes, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, sendo então o 20º mais populoso do estado e o primeiro de sua microrregião. Eirunepé é também um centro sub-regional do Amazonas.

Na vegetação do município predomina o bioma amazônico. Sua taxa de urbanização em 2010 era de 72,32%. O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,562, considerado médio em relação ao estado. Situada em uma área de Floresta Amazônica, não há, em Eirunepé, acesso a outras cidades por meio de rodovias, existindo, como meio ligação à capital ou a municípios vizinhos, apenas transportes fluvial e aéreo.

O povoamento da região de Eirunepé se deu no início do século XIX, com a chegada de nordestinos. O desenvolvimento do município ocorreu durante um grande período dado pelo Ciclo da Borracha. Nesta época ocorreu ainda uma miscigenação da população, com traços do branco nordestino com índios Kulinaã, sendo que houve também influência de povos vindos de outras regiões do mundo, como turcos, portugueses, espanhóis e vários outros.

Na área cultural, destaca-se principalmente pelo turismo, existindo diversos atrativos, como igrejas e praças, além de suas praias de água doce, ilhas, igarapés e lagos que formam a geografia municipal. Nota-se também a realização de eventos culturais e tradicionais, como a Festa do Açaí, o Festival Folclórico e a Festa de São Francisco de Assis, padroeiro municipal.

A cidade nasceu como São Felipe do Rio Juruá, no ano de 1894. A vila de São Felipe passou a demominar-se João Pessoa, em consequência do Ato nº 317 de 5 de março de 1931, através de um pedido feito em 1930 pelo primeiro prefeito Capitão Moisés de Araújo Coriolando, após eleito. Em 31 de dezembro de 1943, através do Decreto-Lei Estadual nº 1.186, o município e o distrito sede passam a denominar-se Eirunepé. O significado do nome "Eirunepé" vem do tupi-guarani, sendo que Eiru significa Pai e Neppé significa Filho.

Nas primeiras décadas do século XIX, atraídos pela extração do látex - o auge da economia do Amazonas na época - e fugindo da seca presente na região Nordeste brasileira, vários migrantes nordestinos, entre eles cearenses, rio-grandenses do norte e paraibanos, chegaram à região do Juruá e fixaram residência nos seringais, dando origem às primeiras vilas remotas existentes na região. Foi nesse contexto histórico que se iniciou o povoamento do município de Eirunepé e vizinhos.

Os primeiros habitantes do local foram homens nordestinos trazidos por Felipe Manoel da Cunha. Como existia uma carência muito grande de mulheres brancas, esses homens casavam-se com mulheres indígenas da tribo Kulinaã, dando origem aos caboclos, - mestiços amazônidas. Este fato gerou muitos conflitos com o dito "homem branco" que chegava, dividindo a opinião da tribo. Assim, aqueles que aceitavam o homem branco foram denominados Kulinas, enquanto aqueles que não aceitavam foram denominados Kanamari.

O município cresceu gradativamente e tornou-se uns dos principais municípios do sudoeste do Amazonas, juntamente com Tabatinga e Fonte Boa são os principais pólos dessa região. A atual população de Eirunepé, bem como da região do Juruá, é formada principalmente pelo elemento indígena, e pelos nordestinos que vieram à região em grande número no início do século XX para a extração da borracha. Também é forte na região a presença de imigrantes. Mas recentemente, a região também tem recebido imigrantes peruanos. Que tem intensivado e que veem passando alguns de seus costumes.

A área do município, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, é de 15 831,571 km², sendo que 4,3172 km² constituem a zona urbana e os 15827,25 km² restantes constituem a zona rural.[5] Situa-se a 06º39′36” de latitude sul e 69º52′26” de longitude oeste e está a uma distância de 1 159,7 quilômetros a sudoeste da capital amazonense.[2] Seus municípios limítrofes são Itamarati e Envira ao leste; estado do Acre e Ipixuna ao sul; Benjamin Constant e Jutaí ao oeste.

O relevo da região de Eirunepé, assim como de grande parte do estado do Amazonas, é predominantemente plano com ocorrências de pequenas elevações, caracterizando-se como uma peneplanície. A sede municipal está localizada em uma altitude de 124 metros, de acordo com a Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico do Amazonas (Seplan).

O município pertence à Bacia do rio Amazonas, que é considerada como a maior bacia hidrográfica de todo o mundo, com 7 milhões de km², compreendendo terras de vários países da América do Sul (Peru, Colômbia, Equador, Venezuela, Guiana e Bolívia, além do Brasil). Eirunepé é banhada pelo Rio Juruá, além de ser cortada pelo Rio Tarauacá, sendo que está situado dentro de seu território o local onde o segundo rio citado desagua na margem direita do primeiro.

O clima eirunepeense é caracterizado equatorial (tipo Af segundo Köppen), com diminuição de chuvas no inverno e temperatura média anual de 26,1 °C, tendo índice pluviométrico elevado com temperaturas elevadas durante todo o ano. O mês mais quente, outubro, conta com temperatura média de 26,75 °C, sendo a média máxima de 32,2°C e a mínima de 21,3°C. E o mês mais frio, agosto, de 24,75 °C, sendo 32,0°C e 17,5°C a média máxima e mínima, respectivamente.

A precipitação média anual é de 2 509,6 mm, sendo julho o mês mais seco, quando ocorrem 57,3 mm. Em janeiro, o mês mais chuvoso, a média fica em 344,9 mm.[22] Durante a época das secas e em longos veranicos em pleno período chuvoso também são comuns registros de queimadas em morros e matagais, principalmente na zona rural da cidade, o que contribui com o desmatamento e com o lançamento de poluentes na atmosfera, prejudicando ainda a qualidade do ar. Em julho de 2005, por exemplo, a precipitação de chuva em Eirunepé não passou dos 0 mm.

Segundo dados do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), de agosto de 1974 a dezembro de 1978 e a partir de agosto de 1997 a temperatura mínima registrada na cidade foi de 10,2 °C, nos dias 19 de julho de 1975 e 10 de julho de 1976.[26] Já a máxima foi de 39,4 °C, observada nos dias 28 de outubro de 1997 e 7 de outubro de 1999.[28] Como citado anteriormente, são comuns precipitações durante todo o ano, porém o maior acumulado registrado recentemente foi de 128 mm, em 5 de abril de 2011.

O município está localizado dentro da área da Floresta Amazônica. É a floresta equatorial que ocupa a maior extensão do território amazônico, sendo a maior floresta tropical do mundo. O solo amazônico é bastante pobre, contendo apenas uma fina camada de nutrientes. A floresta de terra firme apresenta um solo extremamente pobre em nutrientes. Isto forçou uma adaptação das raízes das plantas que, através de uma associação simbiótica com alguns tipos de fungos, passaram a decompor rapidamente a matéria orgânica depositada no solo, a fim de absorver os nutrientes antes deles serem lixiviados. A floresta fluvial alagada também apresenta algumas adaptações às condições do ambiente, como raízes respiratórias, que possuem poros que permitem a absorção de oxigênio atmosférico.