Manaus - AM
Manaus - AM

Capital   Manaus - AM
Área (km²) 1.570.745,680                                                            
Número de municípios                                         62
População estimada em 2010                             3.480.937

 

 
 
Apuí 1 - AM Apuí 2 - AM Apuí 3 - AM Apuí 4 - AM

Apuí - AM

Apuí - AM               Amazonas - AM 
População 18 059
Apuí é um município brasileiro no interior do estado do Amazonas. Pertencente à Mesorregião do Sul Amazonense e Microrregião do Madeira, localiza-se a sul de Manaus, capital do estado, distando desta cerca de 408 quilômetros.

Ocupa uma área de 54 239,904 km²[2] e sua população, contada pelo IBGE em 2010, era de 18 059 habitantes,[3] sendo assim o trigésimo oitavo município mais populoso do estado do Amazonas e o menos populoso de sua microrregião.

O nome Apuí provém de uma árvore típica da região amazônica, conhecida como Apuiseiro, em que na língua tupi significa braço forte.

O município de Apuí fica situado na Rodovia Transamazônica, foi criado através do projeto do Deputado Hamilton Cidade e aprovado pelo Governador Amazonino Mendese em 30.12.1987, pela Lei nº 826, a área do município de Novo Aripuanã, foi emancipada, passando a constituir o novo município de Apuí.

O Município teve como primeiro administrador municipal o Sr. João Torres Neto, nomeando em 16.03.1988, nos termos de Parágrafo Único do artigo 124 da Constituição do Estado, com a redação determinada pela Emenda Constitucional nº 27 de 28.12.1987, pelo Governador do Estado do Amazonas Sr. Amazonino Mendes.

Em 03 de novembro de 1989, foi eleito o primeiro prefeito de Apuí, Sr. Vitor César Catuzzo Marmentini e tendo como primeiro presidente da camara municipal o Sr. Agenor Mates.

Sua população estimada em 2010 foi de 18.059 habitantes.

A área de Apuí na floresta amazônica equivalente ao tamanho de alguns países Europeus, e maior que alguns estado brasileiros.

A geografia do município é rica em belezas naturais, conta com o maior número das mais lindas cachoeiras do estado.

No município acontecem várias festas caracteristicas da região norte, sendo elas a de maior importância A festa do Peão de Boiadeiro com quase duas décadas de existência, é hoje não apenas a principal festa do município, mas também a principal festa do gênero do Estado.

Tal evento, ocorre no mês maio e setembro. Contando com a participação de peões das mais diversas partes do Brasil, sendo que em maior número e com maior freqüência, peões do estado de Rondônia e dos municípios de Humaitá e Manicoré, onde a pecuária também é considerada como atividade principal.

A festa em sua primeira edição, já exibia características econômicas de um próspero cenário econômico no setor agropecuário. O evento aos poucos foi crescendo e recebendo merecida admiração em todo o Amazonas e outros Estados da Região Norte.

O principal destaque da festa do peão é a modalidade montaria em touros, além dessa outras são tradição na festa, assim como o tiro de laço, vaquejada, prova dos 3 tambores, baliza e uma prova um tanto quanto diferente a motojada.

Essa é a festa onde trás a cultura raíz do município, que tem laços forte com o campo e graças a força de trabalho desse povo, a cultura sertaneja se tornou uma das mais admiradas no estado do Amazonas.

Apuí se destaca entre os municípios do Amazonas devido ao seu grande potencial agropecuário. Esse potencial produtivo do município se deve à mão de obra especializada dos colonos oriundos de todos os cantos do Brasil que colonizaram essa região nos anos oitenta.

Com 22 anos de existência(Em 2010), Apuí é gerido pela quinta administração municipal e já tem uma população estimada em 18.059 habitantes e produz anualmente, mais de oito mil sacas de café e conta com um rebanho bovino que supera em muito a marca de 100.000 cabeças de gado.

Entretanto, o município ainda não dispõe de acessos pavimentados, pois a única rodovia utilizada para chegar ao município é a Rodovia Transamazônica (BR-230), que nunca foi pavimentada e a AM-174 até Novo Aripuanã o que deixa o município por um longo período (chuvas) quase que incomunicável.